Pra quem quiser me visitar....
  • Uruguai à mesa: minha curta temporada na região de Maldonado
  • Glouton, em Belo Horizonte: a cozinha de Leonardo Paixão
  • Puro Restaurante: minhas primeiras impressões
  • Casa Cavé: pastéis e memória
  • Bitaca da Leste: pequena joia em Belo Horizonte
  • Sébastien Gaudard, um dos melhores pâtissiers em atuação em Paris
  • Restaurante Casa Velha: só Minas é assim
  • Miznon, em Paris: mais que um fast-food
  • Le Case della Saracca: minha morada no Piemonte
Terça, 22 Março 2016

Mirante do Gavião, em Novo Airão: meu pouso na Amazônia

Mirante do Gavião

Não costumo falar sobre hotéis aqui. É tarefa que deixo pra jornalistas de turismo e especialistas nesta área porque evidentemente têm condições de cumpri-la segundo método e critério que eu jamais alcançaria.

Eventualmente me permito esboçar algumas linhas a respeito do assunto, apenas quando se trate de lugares que, mais do que cama e banho, me proporcionem uma experiência que mereça ser compartilhada, sobretudo se a proposta gastronômica trafegar acima da média da hotelaria nacional – afinal, é de comida que trata este blog. Por essa razão (e também a pedido de muitos leitores), decidi compartilhar minha estadia no Mirante do Gavião, na Amazônia, onde estive no mês passado.

O LUGAR

Mirante do Gavião

O pequeno hotel está localizado em Novo Airão, debruçado sobre o Rio Negro, próximo ao arquipélago de Anavilhanas. Apesar de não estar dentro da selva, o fato de ter apenas sete suítes me fez crer que haveria garantia de silêncio e isolamento – exatamente o que eu buscava ao fugir do carnaval carioca. Me enganei.

Nos inesquecíveis momentos que passei a bordo dos barcos do Mirante do Gavião, a navegar pelas águas do Negro, encontrei a quietude idealizada. Dentro do hotel, jamais. 

Amadorismo de minha parte ignorar o possível entusiasmo dos vizinhos de vilarejo durante o feriado. Se o mais próximo deles resolve expressar sua alegria ouvindo música ruim no mais elevado volume, do raiar do dia ao anoitecer, você será submetido a isso e não há nada a fazer. 

Mas a administração do estabelecimento tem lá sua dose de responsabilidade. Na área ocupada por restaurante e piscina, há trilha sonora durante grande parte do tempo e a seleção musical não me pareceu muito superior à do vizinho. É a síndrome da música ambiente, de que não se escapa nem no recolhimento da floresta.  

Não bastasse isso, a questionável política de day use  praticada pela casa foi golpe mortal no sossego que eu buscava, já que pode aumentar consideravelmente a  quantidade de pessoas transitando nas diminutas instalações.

Frustrada a fantasia de silêncio e contemplação, o que me restava era voltar a atenção ao que tinham de bom a oferecer. Não era pouco. 

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

A integração com o entorno e o bom gosto com que se conduziu o projeto são indiscutíveis e se revelam em todos os detalhes: na madeira de reflorestamento usada na belíssima construção; na vegetação que emoldura a propriedade; na escolha do mobiliário, que põe em evidência o artesanato local, especialmente o trabalho de marchetaria realizado por moradores da comunidade na Fundação Almerinda Malaquias.

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Devo dizer ainda que, se a opção por um ambiente mais discreto e de menores proporções não me rendeu isolamento, trouxe o benefício de lidar com uma equipe extremamente  acessível, sempre gentil e disposta a atender aos pedidos dos poucos hóspedes.

 

A PROGRAMAÇÃO

Amazônia

Pela breve comparação que fiz nas pesquisas que antecederam minha reserva, aparentemente não há grandes diferenças nas programações apresentadas pelos hotéis de selva naquela parte da Amazônia: visitas a comunidades ribeirinhas, trilhas leves na floresta, passeios por igapós ou praias de rio (dependendo da estação), focagem noturna da fauna etc. Programas que não vão além de um contato superficial com a natureza e a cultura do local, sem mergulhos mais profundos. Mas, ao fim e ao cabo, não há como ser pouco, já que se está em uma região onde tudo é naturalmente superlativo.

Amazônia

Saídas de barco com diferentes destinos e em diferentes horários – ao nascer do sol, durante o dia ou noite adentro – garantiam a dose diária de assombro diante da exuberância daquele cenário onde rio e mata atravessam quilômetros em inexorável comunhão.

Novo Airão

 

A COMIDA

Mirante do Gavião

Espero que os leitores não tenham desistido deste post no meio do caminho, antes de chegar ao que talvez mais lhes interesse: o que se come no Mirante do Gavião?

Embora as refeições estejam incluídas na diária, a casa não se rende ao serviço de bufê, que seria o caminho mais óbvio. Dá-se ao hóspede a prerrogativa de escolher o que comer a partir de um enxuto cardápio, que oferece boa variedade de peixes. 

Mirante do Gavião

A responsável pela concepção é a chef Debora Shornik (do restaurante paulistano Caxiri), que está de mudança de São Paulo pra Manaus. Mas quem se encarrega de comandar os fogões no dia a dia é a simpática Orlane, que me autorizou uma visita à cozinha (das mais limpas e organizadas em que já estive) e apresentou sua equipe. Responderam com honestidade a todas as minhas perguntas, o que me permitiu saber que não trabalham somente com pescadores locais, como se poderia imaginar, mas recebem muitos pescados trazidos de Manaus, que são então congelados – o que me faz supor que o problema da logística de fornecimento na pesca artesanal não se restrinja às grandes cidades.

Reincidi muitas vezes no prato mais simples da ementa, "Trivial Caboclo": peixe grelhado, baião, farofa de tucumã e vinagrete. A variação ficava por conta da escolha entre pirarucu, filhote, surubim ou tucunaré. Comida sem grandes atributos, mas benfeita.

Mirante do Gavião

Os melhores momentos à mesa se deveram ao delicioso café da manhã: pães produzidos diariamente, tapioca feita na hora, mingau, banana pacovã frita ou cozida, batata doce, sucos de fruta (maracujá, taperebá, graviola) bolos, geleias e uma compota de cupuaçu que não me sai da cabeça.

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Também entre os funcionários da cozinha, só encontrei pessoas amigáveis e disponíveis. Pedi que me trouxessem tucumã, pois gostaria de ver a fruta in natura. Trouxeram. No dia seguinte, curiosa sobre a azeitona, que ali nada tem a ver com o fruto da oliveira (mais parece jamelão), indaguei se dela faziam suco. Disseram que não tinham o hábito, que gostam mesmo é de comer com sal, mas se dispuseram a fazer pra que eu experimentasse. Na véspera de partir, não escondi meu desejo de comer tambaqui, que não havia no cardápio naquela semana. Pois arrumaram no dia seguinte e prepararam na brasa em meu almoço de despedida.

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Mirante do Gavião

Eis a última impressão que levei de minha hospedagem em Novo Airão: a entrega de uma gente sempre disposta a dar a melhor resposta a quem ouse perguntar.

 

Mirante do Gavião – Rua Francisco Cardoso, s/n –  Bairro Nsa Sra Auxiliadora, Novo Airão – Amazonas

www.mirantedogaviao.com.br

 

 

Quarta, 02 Março 2016

Esse Brasil que a gente deixa pra depois

Novo Airão

[...] ainda há um Brasil bom que a gente desperdiça de bobagem, um Brasil que a gente deixa para depois, e entretanto parece que vai acabando; [...]. Só de repente a gente se lembra de que esse Brasil ainda existe, o Brasil ainda funciona a lenha e lombo de burro, as noites do Brasil são pretas com assombração, dizem que ainda tem até luar no sertão, até capivara e suçuarana – não, eu não sou contra o progresso ('o progresso é natural') mas uma garrafinha de refrigerante americano não é capaz de ser como um refresco de maracujá feito de fruta mesmo – o Brasil ainda tem safras e estações, vazantes e piracemas com manjuba frita, e a lua nova continua sendo o tempo de cortar iba de bambu para pescar piau. (Rubem Braga, Crônicas do Espírito Santo, p.12)

Perdoem se este blog lhes impinge Rubem Braga uma vez mais. Não, não pretendo fazer deste espaço um enfadonho exercício de citações. Se recorro novamente ao cronista, isso se dá por duas razões.

Primeiro porque Braga é companhia constante na minha vida; voz que, de certa forma, interiorizei. Sinto-o quase como um amigo, possivelmente porque suas palavras me ajudem como poucas na difícil tarefa de traduzir o mundo.

Segundo porque é recorrente essa estupefação diante dos rincões do Brasil por onde ando. “Por que atravessei anos deixando pra depois?” “Quanto desperdício não ter conhecido antes este lugar.” Foi exatamente o que senti nos dias que passei em Novo Airão, na Amazônia. Mesmo se não tive a chance de ir além da experiência rasa que tem o turista comum que se hospeda em qualquer dos hotéis de selva da região, tudo era impregnado desse Brasil que às vezes a gente esquece que ainda existe.

Novo Airão

A profunda comunhão do rio com a floresta. As noites que pareciam inventar diariamente novas estrelas. O silêncio de uma solidão ainda possível. O navegar quase sem ver gente – e quando havia gente, era de uma simplicidade rara. O tanto que a terra e as águas nos deram de comer. Graviola, cupuaçu, taperebá, tucumã e até azeitona, que ali não é o fruto da oliveira, mas algo muito diferente.  Tambaqui, matrinxã, pirarucu, tucunaré, sempre na companhia de banana pacovã. E, claro, amalgamando cada refeição, muita farinha de Uarini – que eu ouvia chamar carinhosamente de farinha ovinha e achava tão poético, mas, depois de tomar algumas broncas por lá, está entendido, é farinha de Uarini e não se fala mais nisso.

Novo Airão

Rio Negro

Novo Airão

Comunidade Tiririca

tucumã

Em breve, conto dos restaurantes que visitei e talvez do hotel onde estive hospedada, já que muitos leitores e seguidores me perguntaram sobre hospedagem na região. Por ora, o que eu queria era dizer desse país que a gente não deve desperdiçar, não deve deixar pra depois.

 

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: