Pra quem quiser me visitar....
  • Conceição Discos, o novo café de Talitha Barros em São Paulo
  • Du Pain et des Idées: minha padaria do coração em Paris
  • Nordisk Brødhus: meu melhor café da manhã em Copenhague
  • Lasai, a nova casa do chef Rafa Costa e Silva no Rio: exaltação da cozinha de produto
  • Duas vezes Frenchie: Frenchie to Go e Frenchie Bar à Vins
  • Copenhague em pequenos bocados
  • Kødbyens Fiskebar, em Copenhague
  • Relæ, em Copenhague: pequeno notável
  • Pirouette: oásis em Les Halles
Segunda, 13 Outubro 2014

Casa Mathilde: pra ver a cidade

Casa Mathilde São Paulo

Fazia tempo que eu queria visitar a Casa Mathilde, doçaria portuguesa inaugurada no centro velho de São Paulo no ano passado. O desejo era alimentado por meu apreço pelos doces portugueses, mas também pelo fato de estar a loja numa região que há muito eu tinha vontade de conhecer.  Sou fascinada por centros antigos de cidades grandes. Mesmo quando decadentes, costumam guardar uma elegância que quase sempre se perde no crescimento desenfreado das selvas de concreto. Em São Paulo não é diferente.

A praça onde está instalada a confeitaria é pura poesia urbana. O relógio, as bancas à moda antiga, o soberbo edifício Martinelli, tudo isso está ao alcance dos olhos de quem se acomoda numa das mesas do segundo andar, diante de suas paredes envidraçadas. Foi exatamente onde me acomodei.

Casa Mathilde São Paulo

Casa Mathilde São Paulo

Casa Mathilde São Paulo

Com os olhos colados na janela, imaginando como teria sido aquele lugar décadas atrás, volta e meia eu me permitia desviar a atenção em direção ao cardápio. A cada pedido, ia percebendo que nem tudo o que sai dos fornos da casa é igualmente bom – impressão que uma breve espiada em suas vitrines já me havia antecipado. As empadas, por exemplo, não me entusiasmaram. Nem poderiam, afinal, chegaram frias à mesa. O jesuíta (que tinha a massa folhada um tanto murcha, recheada com inexpressivo creme de ovos) não revelava a mesma delicadeza dos doces que eu experimentaria a seguir e também na visita seguinte – aproveitando que passava a semana no centro da cidade, reincidi dois dias depois.

O recheio dos pastéis de nata não me pareceu semelhante ao dos autênticos pastéis de Belém. Ainda assim, estavam frescos (massa sequinha e crocante) e muito gostosos nas duas visitas. Quentinhos, logo que saem do forno, são um alento pra quem tem um oceano a vencer se quiser ir ao encontro dos originais.

Casa Mathilde

Casa Mathilde

O pastel de Santa Clara tinha massa delicada e ótimo recheio.

Casa Mathilde

As queijadas da Mathilde, de interior úmido sob a crosta dourada, eram deliciosas. Não resisti, pedi mais um par delas pra viagem.

Casa Mathilde

Casa Mathilde

Eu diria que o tesouro da Casa Mathilde não está tanto em suas vitrines de doces como no fato de seu salão revelar-se um privilegiado observatório da cidade. Mas, convenhamos, umas queijadas e uns pastéis de nata recém-saídos do forno só podem deixar melhor o exercício de contemplação.

 

Casa Mathilde - Praça Antonio Prado 76 – Centro – São Paulo

www.casamathilde.com.br

Quinta, 02 Outubro 2014

Sabor Rural, em Tiradentes: antídoto pros males da urbe

Sabor Rural Tiradentes

Passamos a estação de trem, pegamos a estrada de terra. A paisagem que emoldura o caminho é tão bonita, tão bucólica que faz o destino parecer menos importante. Todavia, chegamos. E o que nos espera é um restaurante que mais parece o sítio de um amigo do que um estabelecimento comercial.

Sabor Rural Tiradentes

Sabor Rural Tiradentes

Galinhas perambulam absolutamente indiferentes a nossa chegada. Já os cachorros acomodados na entrada despertam do estado de profunda preguiça pra nos receber. Reafirmam a sensação de acolhimento que a atmosfera do lugar antecipava. Àquela altura, já estávamos convencidos de que seríamos felizes ali. Ainda que a comida não fizesse jus ao cenário. Ainda que o serviço não estivesse no compasso da urgência de visitantes urbanos demais.

Sabor Rural Tiradentes

Sabor Rural Tiradentes

Sabor Rural Tiradentes

Matamos a sede com limonada servida na chaleira, geladinha. À fome mais premente respondemos com pasteis de angu com carne (boa massa, recheio saboroso), selando a felicidade à mineira.

Sabor Rural Tiradentes

Sabor Rural Tiradentes

O feijão tropeiro que veio em seguida não estava entre os melhores que já comi, mas era bom. O mesmo não posso dizer das carnes de porco que o acompanhavam, ressecadas, maltratadas mesmo. Os pedaços que sobraram fizeram a alegria dos cães, cujo crivo era consideravelmente menos severo.

Sabor Rural Tiradentes

Sabor Rural Tiradentes

Ao longe, o som da maria-fumaça, partindo rumo a São João del Rei, nos lembrava de que havíamos perdido a hora e o trem. Não lamentamos. Era Tiradentes nos libertando do triste ritmo da cidade grande.

 

Sabor Rural – Estrada da Caixa d’Água, Km 4 (por trás da estação de trem) -  Tiradentes

 

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: