Pra quem quiser me visitar....
  • Mirante do Gavião, em Novo Airão: meu pouso na Amazônia
  • El Garzon: o refúgio uruguaio de Francis Mallmann
  • Restaurante Casa Velha: só Minas é assim
  • Esse Brasil que a gente deixa pra depois
  • Uruguai à mesa: minha curta temporada na região de Maldonado
  • Glouton, em Belo Horizonte: a cozinha de Leonardo Paixão
  • Los Mellizos: churros e nostalgia em Montevidéu
  • Casa Cavé: pastéis e memória
  • Bitaca da Leste: pequena joia em Belo Horizonte
Terça, 20 Setembro 2016

Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais

Fazenda do Serrote

Cinco anos atrás, uma amiga me descreveu a Fazenda do Serrote, em Santo Antônio do Aventureiro, como a materialização do éden. Aquela conversa ficou na minha memória, jamais esqueci. No último fim de semana, meio de improviso, acabei buscando ali a pausa de que andava precisando.

Fazenda do Serrote

Telefonei pro hotel poucos dias antes e encontrei um último quarto ainda disponível. A boa notícia veio acompanhada de uma informação que representava uma ameaça a minha expectativa de dias de sossego e contemplação: haveria 28 crianças hospedadas na fazenda naquele fim de semana. Sim, vinte e oito. Emudeci por uns minutos, mas confirmei a reserva.  Fui em frente, em busca do paraíso que me fora prometido.

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Passado o receio inicial, compreendi que o lugar ganha certo encanto com a presença dos miúdos, esses seres que, como diria Drummond, são comandados pela imaginação e dispõem de todos os filtros da poesia.

Foi divertido ouvir os gritinhos da menina deslumbrada diante de um coelho, como se se tratasse de um acontecimento raro como a passagem de um cometa. Achei graça no garoto sentado à beira do lago empunhando uma vara sem linha, nem anzol, na ilusória crença de que arremataria muitos peixes. Me vi curiosa diante de um par de pequenas botas cor-de-rosa à porta de um dos quartos, imaginando quem seria sua dona. Ri ao ouvir o menino que voltava da ordenha dizendo que havia tirado leite "pra cidade inteira".

No Serrote, os universos dos adultos e das crianças dialogam com leveza e naturalidade, sem a artificialidade e o mau gosto que costumam imperar em boa parte dos chamados hotéis-fazenda.

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Ao burburinho dos miúdos, somavam-se o mugido das vacas, o relincho dos cavalos e a inigualável sinfonia das aves, muitas delas em toda parte – em voos rasantes no lago, em revoada invadindo os salões do casarão ou em reuniões improvisadas à sombra das árvores. 

Melodia mais doce só mesmo a da sineta anunciando que a refeição estava posta. Os jantares não me pareceram dignos de nota, mas no café da manhã e nos almoços Dona Luzia revelava os atributos que a mantêm há vinte anos no comando daquela cozinha.

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Pela manhã, pães de queijo, broinhas de milho, bananas fritas, geleias de frutas (jambo, carambola, manga, goiaba, jabuticaba).

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

À tarde, ao lado de pratos menos atraentes, havia sempre uma bem-vinda receita mineira. No sábado, delicioso tutu,acompanhado de arroz, farofa e almeirão refogado. No domingo, feijão tropeiro, que é um dos meus fracos – sobrava-lhe um tanto de sal, mas não lhe faltava sabor. Assim como não me faltou coragem pra pedir bis.

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Encerrando todas as refeições, doce de leite, ambrosia e doces de mamão, abóbora, goiaba, laranja. 

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Fazenda do Serrote

Embora a atmosfera da fazenda nos desse a sensação de deixar o tempo em suspenso, o relógio galopava rumo ao inevitável: a difícil tarefa de lidar com a segunda-feira, quando se passa o dia à espera do som da sineta e ele não vem.

 

Fazenda do Serrote - fazendadoserrote.com.br

Terça, 14 Junho 2016

O café da manhã da Pousada Capim Santo, em Trancoso

Pousada Capim Santo

Acordar na Capim Santo é das melhores coisas que alguém pode fazer em Trancoso. Não só porque a pousada guarda a alma de vilarejo que a exploração turística há muito tenta solapar, mas porque serve o que é provavelmente o melhor café da manhã da região. Uma seleção de bocados que merecem ser saboreados com aquela falta de pressa que só é possível quando se está na Bahia.

Pousada Capim Santo

Sucos, tapiocas, panquecas, bolos, bolinhos de estudante e até empadas. A queijadinha e o bom-bocado de milho verde merecem particular menção: receitas simples, sem mistério, dessas capazes de nos devolver à infância.

Pousada Capim Santo

Pousada Capim Santo

Pousada Capim Santo

Na manhã de despedida de minha mais recente visita a Trancoso, pensei como seria bom despertar com aquele café todos os dias. Logo repensei. Bobagem. É justamente isso que tem tirado muito da graça da experiência de comer fora ultimamente: o empenho dos ditos foodies em fazer de todo café da manhã, todo almoço, todo jantar uma refeição especial. Se todas são especiais, é como se nenhuma fosse. 

Não, não quero o café da Capim Santo todos os dias. Deixo que ocupe o lugar da saudade, que é onde ele deve estar.

 

Pousada Capim Santo – Rua do Beco 55 – Quadrado – Trancoso

http://capimsanto.com.br/trancoso.html

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: