Pra quem quiser me visitar....
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
Quinta, 01 Julho 2010

Sobre o Sal Gastronomia

Sempre tive do Sal Gastronomia a impressão de que seria um bom restaurante. Não um restaurante incrível, desses que entram pra lista de favoritos, mas um lugar aonde ir com a garantia de encontrar comida bem executada. Um lugar para uma refeição sem sustos, mas também sem maiores emoções. Confesso que tanto os comentários de fontes das mais confiáveis, como as sucessivas premiações do chef Henrique Fogaça pela mídia gastronômica, deram uma ligeira elevada nas minhas expectativas. O fato é que almocei no Sal há poucas semanas e saí com a sensação de que o restaurante era exatamente o que minha intuição me dizia. Nem mais, nem menos.

Acomodada no pequeno salão, de frente pro movimento revelado pela cozinha aparente, comecei pelas bruschettas de polvo. Muito boas. Um tanto grandes, dificultavam a bocada, ao menos pra pessoas de pouca habilidade como eu. Mas, ainda, assim, muito boas: o polvo tenro, saboroso, com tomates, ervas e maçã verde, num tempero equilibrado.

Em seguida, uma polenta italiana, cremosa e delicada.

Viria, então, o melhor do almoço: gnocchi de batata-baroa com ragu de javali. Os gnocchi selados, dourados, a massa cheia de sutileza e o ragu saboroso. Um belo prato.

Finalmente, uma gostosa sopa de frutas vermelhas, com um bom sorvete de zabaglione, que seria ainda melhor se tivesse textura mais cremosa.

Sem dúvida, um bom restaurante. Precisa ser mais do que isso? Às vezes sim, às vezes não. Depende da proposta do lugar e da expectativa que ela gera. No meu caso, eu diria que a expectativa não foi totalmente alcançada, mas creio que não porque a casa estivesse aquém do que anuncia, e sim porque eu esperava mais do que deveria. Particularmente, não vi no Sal nenhuma pretensão de ser mais do que é. Entrega o que promete e ponto final. Ousaria dizer que a satisfação é garantida desde que não se vá esperando do Sal mais do que o Sal, afinal, se propõe a dar.

 

Sal Gastronomia – Rua Minas Gerais 350 – Higienópolis
www.salgastronomia.com.br

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: