Pra quem quiser me visitar....
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • The Slow Bakery, o café
Quarta, 29 Abril 2009

Salvador sob (minha) medida

Eis algumas experiências que, do meu ponto de vista, ninguém deveria deixar Salvador sem vivenciar.

Em primeiríssimo lugar, fazer uma refeição no Paraíso Tropical, onde se come a melhor comida da cidade. As moquecas de Beto Pimentel mereciam ser reconhecidas como patrimônio cultural brasileiro.

Almoçar no Amado, onde, além da ótima comida, tem-se o privilégio de estar no mais belo restaurante da cidade, debruçado sobre a Baía de Todos os Santos.

Saindo do Amado, tomar o rumo do Solar do Unhão (logo ao lado), casarão histórico que abriga o Museu de Arte Moderna da Bahia. Sem dúvida, um dos lugares mais fantásticos da cidade.

Subir e descer as ladeiras do centro histórico e maravilhar-se com lindas construções e igrejas centenárias.

Saborear os muitos sorvetes de frutas da sorveteria Le Glacier Laporte e tomar um milk shake de tapioca na Sorveteria da Ribeira.

Tags: Salvador
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: