Pra quem quiser me visitar....
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
Segunda, 14 Novembro 2011

Foz do Iguaçu: pra quem tem fome de água

Foz do Iguaçu

No início do mês, estive nas Cataratas do Iguaçu, a convite do Orient-Express, pra conhecer a região e o Hotel das Cataratas, que pertence ao grupo e está localizado dentro do Parque Nacional do Iguaçu, de frente pras quedas d’água. Ao longo de alguns dias, pude constatar o que eu já supunha: não se trata de um destino atraente sob o aspecto gastronômico. Há pouco, quase nada a explorar em Foz. Do lado argentino, a pequena Puerto Iguazu ainda tem um tantinho mais a oferecer...

Aproveitei pra comprar salames, doce de leite e alfajores na feirinha no centro da cidade argentina, onde todas as bancas vendem mais ou menos os mesmos produtos...

Foz do Iguaçu

Puerto Iguazu

Trouxe queijos, chimichurri e algumas geleias do Emporio Gourmet Prazeres da Mesa, loja na Av. Hipolito Hirigoyen, que vende exclusivamente produtos fabricados na Argentina...

Puerto Iguazu

Puerto Iguazu Puerto Iguazu

E almocei no Aqva, considerado o melhor restaurante de Puerto Iguazu, mas não diria que foi propriamente uma refeição digna de nota. O melhor do almoço foi o Antipasto Misionero, que me apresentou, entre outras coisas, a sopa paraguaia – que é uma gostosa torta a base de farinha de milho, queijo e cebola (de sopa, como veem, nada tem) – e a Chipa Guazú, que achei ainda mais gostosa, feita com milho in natura.

Aqva

Aqva

Agora, de longe, meus melhores momentos à mesa, durante aqueles dias, foram garantidos pelo pudim de leite do bufê do Hotel das Cataratas. Olhar a bandeja cheia deles me abria um sorriso de orelha a orelha. Comi quase todos os dias. Às vezes, mais de um, confesso. Eram aveludados, perfeitos. Mesmo quando furinhos teimavam em aparecer do lado de fora, por dentro eram absolutamente lisinhos, do jeito que eu gosto. Eis a prova do crime.

Hotel das Cataratas

Hotel das Cataratas

A isso se resumiram minhas incursões gastronômicas na região. A questão é que, embora, aonde quer que eu vá, meu olhar esteja inevitavelmente voltado pra gastronomia, a verdade é que aquele é um lugar onde suprir outros tipos de fome. Fome de natureza, cuja presença é avassaladora. Bastam poucos minutos no Parque Nacional do Iguaçu pra sentir que há quase que se pedir licença pra estar ali. Aquele pedaço de terra não pertence senão aos seres que o habitam. Dos lagartos, onças pintadas e quatis aos tucanos e guaxis, que espalham seus compridos ninhos por todo o parque. Das aranhas e borboletas aos quero-queros, que desfilam com seus pequenos filhotes, de olhos atentos a protegê-los de nós, os intrusos. Somos os estrangeiros ali. Um mínimo de percepção faz com que se avance com respeito reverencial, pedindo passagem a cada passo.

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Se os “donos” do parque não lhe derem essa noção, a água dará. Aquele é um lugar pra quem, acima de tudo, tem fome de água. É o meu caso. Estar ali, pra mim, foi como buscar suprir uma fome primária. Algo que, acredito, trago comigo, desde os primeiros minutos de vida. Na certeza de que a água é o meu meio, sempre senti num banho de rio ou num mergulho no mar uma espécie de volta à origem. E em Foz do Iguaçu, a água é muita, é o excesso. A força com que brota das entranhas daquelas rochas ajuda a saciar um tanto dessa fome que, no fundo, é insaciável.

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu

Nesses quatro dias que passei ali, vivi emoções como sobrevoar as Cataratas e percorrê-las de barco, o que me garantiu o mais violento e intenso banho da minha vida. Mas confesso que nada me emocionou mais do que a experiência de fazer a caminhada pelo parque sozinha. Esse – mais do que o número de fios do seu lençol ou os tratamentos que lhe estarão a disposição no SPA do hotel – é, certamente, o maior dos luxos de quem se hospeda no Hotel das Cataratas: acessar a trilha nos horários em que ela não está acessível a ninguém mais, antes de o parque abrir ou depois que fecha as portas. Caminhar por ali num fim de tarde, completamente só, apenas você e a água, é como levar a alma pra passear.

Hotel das Cataratas

Hotel das Cataratas

Hotel das Cataratas

Hotel das Cataratas

Hotel das Cataratas

Hotel das Cataratas

Deixo aqui um videozinho despretensioso pra tentar traduzir, minimamente, o que digo.
{youtube}dEMlXRWcvvw{/youtube}

As atualizações do blog também estão no meu twitter

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: