Pra quem quiser me visitar....
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
Quinta, 05 Janeiro 2012

Chou: boa comida sem alarde

Chou

Fazia tempo que queria conhecer o Chou. O cardápio – particularmente, as entradas, pouco óbvias, que exploram quase exclusivamente vegetais – e o uso da lenha na cozinha me despertaram o desejo de conhecer a casa desde a inauguração. Embora muita gente não conheça o restaurante, algumas opiniões de fontes bastante confiáveis reforçaram meu desejo. Por que é que muita gente não conhece? Bem, o Chou não tem chef famoso nem filas enormes na porta. Mas posso adiantar que é melhor que muito restaurante da moda em São Paulo. Sem fazer alarde.

Estive lá ao fim de um dia extenuante. Comida intelectualizada era tudo de que eu não precisava naquela noite. Só queria arrastar meu corpo até um lugar onde pudesse alimentá-lo sem maiores pretensões, mas, claro, com alguma dose de prazer e conforto – e por conforto, entenda-se não o bem estar material, mas o consolo da alma. Pois ali encontrei mais do que eu esperava.

Já fui sabendo que se me perguntassem se queria sentar na parte interna ou externa não deveria titubear. Esqueça a parte interna da casa. O Chou é um restaurante que acontece em torno de um quintal. Não um quintal qualquer, mas daqueles que eu gostaria de ter na minha casa, se morasse em uma. Plantas por todo lado, lindas árvores, lâmpadas penduradas sobre nossas cabeças, mantas empilhadas em caixotes pra socorrer desavisados em dias frios. E música, boa música. Excelente música. Ao acomodar meu cansaço naquele quintal e ouvir a voz de Billie Holiday, senti que estava no lugar certo.

Chou

Chou Chou

Quando o gostoso pão caseiro – acompanhado de azeite e um ótimo mix de especiarias – aterrissou em minha mesa embalado pela irresistível rouquidão de Louis Armstrong, não tive dúvida. Podia passar a noite inteira à base disso: pão, azeite, especiarias e Armstrong. E estaria suficientemente feliz.

Chou Chou

Mas segui com algumas entradas, que, insisto, me pareceram a parte mais atraente do cardápio. Quase tudo muito bom. Da doçura das cebolas assadas com creme fresco e Saint Agur às macias abóboras assadas com gergelim negro e coentro, passando pela sardinha fresca na brasa e as deliciosas pimentas cambuci queimadas no fogo com queijo Manchego.

Chou Chou

Chou Chou

O arroz tres leches, um arroz doce cremoso coroado com uma colher de doce de leite, garantiu um belo desfecho pro meu jantar. Não vou dizer que foi o melhor que já comi. Mas precisava ser?

Chou Chou

Chou – Rua Mateus Grou 345 – Pinheiros – São Paulo
http://chou.com.br/

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: