Pra quem quiser me visitar....
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • The Slow Bakery, o café
Sexta, 13 Abril 2012

Lá em Casa: parada obrigatória em Belém

Lá em Casa Belém

Nesse momento, eu queria estar em Belém, onde acontece, até domingo, a 10ª edição do Ver-o-Peso da cozinha paraense, festival idealizado pelo saudoso chef Paulo Martins. Nem sempre se pode estar onde se quer. Pra aplacar minimamente o desejo, estava eu revendo imagens da minha visita à cidade no ano passado quando me dei conta de que ficou adormecido meu post sobre o restaurante Lá em Casa. Entre uma viagem e outra, perdeu-se no baú do esquecimento. Podia jurar que havia publicado e só ontem me dei conta de que não. Falha que corrijo agora.

Não tive a felicidade de conhecer o Lá em Casa nos tempos de Paulo Martins. Mas está lá o legado do mestre, que encontra continuidade pelas mãos de suas filhas. Programa obrigatório numa viagem a Belém. Assim como não se pode conceber uma visita à capital paraense sem ir ao encontro do que anda criando Thiago Castanho, é impensável sair de lá sem conhecer a herança deixada pelo homem que convidou o Brasil a voltar os olhos pro Pará. Por seus passos, abriram-se os caminhos que permitem que jovens talentos como Thiago ocupem hoje o espaço que ocupam.

Conheci a casa já em seu novo endereço, dentro da Estação das Docas. A parte interna tem aquele ar de praça de alimentação de shopping. Portanto, o ideal é se acomodar na varanda e comer na companhia do rio Guamá.

Lá em Casa Belém Lá em Casa Belém

Optei pelo que me pareceu recomendável pra quem vai ao restaurante pela primeira vez: o Menu Paraense, que propõe uma espécie de beabá da cozinha do Pará. Aviso logo: é preciso ir com a fome de um dia inteiro pra dar conta do recado. Especialmente se, antes, você ainda se permitir sucumbir a uma porção de bijus marajoaras. Dourados, deliciosos, jamais me saíram da memória. Confesso que, de tudo o que comi no Lá em Casa, foi o que mais me deixou saudade...

Lá em Casa Belém

Juntamente com os bijus, aportou na mesa um molho de pimenta de cheiro com tucupi, que me acompanhou até o fim da refeição.

Lá em Casa Belém

O menu se inicia com uma seleção de pequenas bocados. Salada de feijão mateiguinha de Santarém, que é uma beleza de feijão. Iscas e farofa de pirarucu (que estava um tom acima no sal). E o muçuã de botequim, que substitui a iguaria proibida: usa-se músculo bovino no lugar da carne de muçuã.

Lá em Casa Belém

Em seguida, o pato no tucupi, devidamente acompanhado de uma bela farinha d’água, elemento fundamental na mesa paraense. Farinha naquelas paragens é coisa muito séria...

Lá em Casa Belém Lá em Casa Belém

Lá em Casa Belém

Enfim, a maniçoba, que traz as folhas de mandioca brava moídas e cozidas com charque, lombo, chouriço, paio, pé e rabo de porco. Prato feio, dono de uma estranheza ímpar. Longe de ser unanimidade, é manjar pra poucos paladares. Particularmente, gosto muito, desde a primeira vez em que experimentei – longe, muito longe de Belém. Fez ainda mais sentido pra mim, ali, às margens do Guamá.

Lá em Casa Belém

O percurso se encerrou com um bom sorvete de cupuaçu. Àquela altura, o bom senso já me mandava parar. Mas ainda busquei forças pra seguir até a Sorveteria Cairu, providencialmente instalada ao lado do restaurante. Precisava fechar a noite com a delicadeza e o frescor de um sorvete de bacuri (fruta que me encanta imensamente mais que o cupuaçu). E o da Cairu, pra mim, é sem igual.

 

Lá em Casa – Estação das Docas – Galpão 02 – Loja 04
http://www.laemcasa.com/

 

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

 

 

Comentários:
em 27-06-2013
por: Lilian de Abreu Paulo
Também estive neste restaurante, mas, na época, ele funcionava em um casarão perto do centro. Foi uma experiência inesquecível,pois os sabores do Pará são únicos!
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: