Pra quem quiser me visitar....
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
Quinta, 26 Julho 2012

Dalva e Dito vive dias de Remanso do Bosque

Thiago Castanho Felipe Castanho

Tive a felicidade de estar em São Paulo na semana em que Thiago e Felipe Castanho, a convite de Alex Atala, cozinharam no Dalva e Dito. Quem acompanha esse blog sabe o quanto admiro o trabalho de Thiago, que, do alto de seus vinte e quatro anos, já vem sendo visto como o novo embaixador da cozinha paraense. Quando estive com ele em Belém no ano passado, seu irmão, Felipe, ainda estudava gastronomia em São Paulo e o Remanso do Bosque era um sonho em vias de se concretizar.

Embora a vontade só faça aumentar, ainda não pude voltar à cidade pra ver a dupla no comando da nova casa. Mas tive, na semana passada, uma pequena (grande) amostra do que andam fazendo. Cada etapa do jantar reafirmava a marca do trabalho dos dois: os sabores de sua terra estavam lá, em pratos que revelavam precisão técnica e o olhar autoral que os irmãos Castanho lançam ao receituário paraense.

O couvert da casa, que já é muito bom, ficou ainda melhor com o bem-vindo acréscimo dos bolinhos de piracuí empanados na tapioca e um beiju sensacional.

Dalva e Dito Dalva e Dito

Dalva e Dito Dalva e Dito

Remanso do Bosque

No abre-alas, a personalidade do tacacá e a delicadeza da mojica de aviú.

Remanso do Bosque Remanso do Bosque

O delicioso filhote em molho de tucupi vinha acompanhado de cuscuz de farinha d’água de Bragança, verdadeira pérola.

Remanso do Bosque

Na sequência, o sabor marcante do pirarucu defumado em molho de urucum com banana e farinha de Castanha do Pará.

Remanso do Bosque

Pra minha alegria, havia mais farinha por vir. Agora, farinha de açaí (que é prensado junto com a mandioca), coroando a rabada que desmanchava no garfo. No cantinho do prato, algo que o cardápio me dizia que era macaxeira, mas macaxeira eu sabia que não era... Era ariá. Feliz descoberta pra mim.

Remanso do Bosque

Na sobremesa, a dupla deixou brilhar o frescor e a sutileza do bacuri, fruta que figura no rol das minhas favoritas e que, ali, recebeu apenas um pouquinho de melaço, uma borrifada de cumaru e a companhia de telhas de tapioca caramelizada. Desfecho perfeito de um jantar memorável.

Remanso do Bosque

 

Remanso do Bosque – Travessa Perebebuí 2.350 (com Av. Rômulo Maiorana)- Marco - Belém
http://www.restauranteremanso.com.br/

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: