Pra quem quiser me visitar....
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • The Slow Bakery, o café
Terça, 08 Dezembro 2015

Restaurante Casa Velha: só Minas é assim

Restaurante Casa Velha

Fazia pouco mais de uma hora que havíamos deixado Belo Horizonte. A caminho de Inhotim, parada providencial num povoado batizado Córrego do Feijão. A fachada do restaurante na praça central anunciava: “comida e estilo da roça”. Estávamos no lugar certo.

Restaurante Casa Velha

Diante do fogão a lenha, um verdadeiro banquete: pernil de porco pururuca, ensopado de língua de boi com linguiça, galinha caipira, cozido de costela e maçã de peito com milho, tutu, angu de fubá de moinho d'água, aipim, jiló, quiabo refogado.

Restaurante Casa Velha

Restaurante Casa Velha

Restaurante Casa Velha

Restaurante Casa Velha

O dono do restaurante, que nos recebe como em sua própria sala, pergunta se queremos ovos caipiras fritos e folhas refogadas (couve, mostarda, ora-pro-nóbis). Sim, queríamos tudo. Não renunciaríamos a nenhum daqueles pratos, que tinham jeito e gosto de casa, inclusive em suas eventuais imperfeições.   

Restaurante Casa Velha

Restaurante Casa Velha

Acomodada à sombra de uma jabuticabeira, sob os olhares dos cães e de olho nas redes que convidavam à sesta, eu me dava conta de que o que se serve ali é mais que comida. É acolhimento, conforto, memória. Um lugar que nos desperta sensação oposta àquela que Nina Horta descreve com tanta clareza na crônica Exílio: “E tem uma hora em que você está distraído, jantando num restaurante caro, e sente aquele ‘não pertencer’ no ar. (...) e você pensa: ‘O que estou fazendo aqui, jantando vieiras com aspargos sob um lustre de cristal preto?’. Não sou eu, com certeza.”  

O Casa Velha é o tipo de restaurante que nos ajuda a não esquecer quem somos.

 

Casa Velhawww.casavelhacorregodofeijao.com.br

Tags:
Comentários:
em 08-12-2015
por: Laila
Adorei o texto Constance! Tenho muita saudade de Minas. Ainda acho um mato por aí pra chamar de meu.
em 08-12-2015
por: Constance
Se encontrar um mato com quarto de hóspede, serei visita constante, Laila. Minas é mesmo muito especial. Saudades de você.
em 08-12-2015
por: Renata Queiroga
FElcidade foi ver esse post! Aqui em PErnambuco, na cidade de Gravatá, há um mineiro que abriu um restaurante muito nesse estilo autêntico!
em 09-12-2015
por: Ana Lucia
Lindo, Constance!É exatamente disso que mais sinto falta nos restaurantes de Manaus - acolhimento, conforto, memória.Que bom que Minas está no Brasil!
em 22-03-2016
por: rubens
...estive lá! em visita ao incrível Inhotin. Por sugestão, fomos até Casa Velha, a 12 km....
razoável.... não vimos esses sabores todos...
mais valeu...
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: