Pra quem quiser me visitar....
  • Duas vezes Frenchie: Frenchie to Go e Frenchie Bar à Vins
  • Copenhague em pequenos bocados
  • Artesanal: para onde aponta a cozinha de Roberta Sudbrack em 2014
  • Relæ, em Copenhague: pequeno notável
  • Pirouette: oásis em Les Halles
  • Noma, o lendário restaurante do chef René Redzepi em Copenhague: minhas impressões
  • Nordisk Brødhus: meu melhor café da manhã em Copenhague
  • Clamato, a nova casa do chef Bertrand Grébaut em Paris
  • Você já foi ao Paraíso Tropical? Não? Então, vá.
Segunda, 21 Janeiro 2013

41 Grados, o (nem tão) novo restaurante de Ferran e Albert Adrià

41 Grados

Suponho que o pequeno restaurante dos irmãos Adrià em Barcelona, comandado pelo caçula Albert, dispense apresentações. A questão é que, com a relativa facilidade com que ainda se consegue uma mesa ali, me pergunto, por outro lado, se todos já se deram conta de que há muito do extinto elBulli na nova casa inaugurada pela dupla em 2011. Jamais estive no mítico endereço na Costa Brava, mas não é preciso ter estado pra perceber isso. O ambiente e a vibração no 41 Grados são outros, os elementos cênicos e a trilha sonora têm, agora, papel determinante no conjunto da obra, mas a proposta gastronômica me parece muito semelhante. Inclusive, estão em cartaz alguns clássicos do restaurante que, até bem pouco tempo, deixava o planeta de joelhos por uma reserva.

41 Grados

 A cada noite, as dezesseis pessoas que ocupam as poucas mesas atravessam mais de quatro horas de jantar em torno de um menu de 41 etapas – quase sempre, pequenos bocados pra comer com as mãos, alguns deles acompanhados de coquetéis assinados pela casa. Na verdade, jantar nem é a palavra mais apropriada. Trata-se de uma experiência de outra ordem. Algo como ir ao circo ou a um show. É espetáculo, no melhor sentido da palavra. As ideias de entretenimento e emoção estão profunda e indiscutivelmente ligadas à concepção da coisa toda.  E é, de fato, impossível não se divertir. Obviamente, num menu de 41 cursos, não se pode gostar de tudo – e creio que os chefs nem tenham isso como meta. É claro também que há momentos de cansaço, inclusive mental. Mas surpresa e encantamento estão presentes em boa parte do percurso.

Sem mais rodeios, vamos direto ao que interessa. Depois de muito ponderar, decidi poupá-los de um monótono relato prato-a-prato e me deter no que, pra mim, foram os pontos altos da noite .

O bosque onde nada é o que parece. Crocantes de pele de porco com yuzu, framboesas e laranjinhas que explodem, geladas, na boca, folhas de groselha com cacau e casulos com textura de marshmallow, pra comer direto do “galho”.

41 Grados

41 Grados  41 Grados

Sensacionais esferificações de kalamata dividiam a cena com queijo feta feito na casa e tomates secos cheios de doçura, na companhia de um perfumado vinho de romãs.

41 Grados  41 Grados

Os falsos tentáculos de polvo eram, na verdade, crocantes de flocos de arroz e kimchi seco, o que lhes confere, intencionalmente, coloração que remete ao milho roxo peruano. Minha vontade era comer algumas dezenas deles...

41 Grados

Deliciosa, a famigerada airbaguette envolta em jamón Joselito, mais um clássico do elBulli, também me deixou um persistente desejo de bis.

41 Grados

A inspiradora paisagem nórdica trazia cenouras com creme azedo e farelo de pão preto e smorrebrods com carpaccio de carne, picles de cebola e queijo defumado.

41 Grados

41 Grados

A margarita sólida aprisionava, em uma esfera âmbar, tequila, extrato de agave, limão e cristais de sal, numa lúdica homenagem ao México.

41 Grados

No atordoante bánh mi, cada detalhe era impecável: o pão crocante, o saboroso naco de porco ibérico, a julienne de vegetais, a deliciosa maionese. Me pergunto se mesmo no Vietnã não deve ser difícil encontrar um exemplar tão bom...

41 Grados

O rosbife versão 41 Grados, coroado por um tantinho de um ótimo béarnaise e uma perfeita cebola caramelizada, acompanhado de batatas suflê, veio restaurar meu entusiasmo num momento em que ele rateava.

41 Grados

Sublime é o adjetivo que me ocorre pra traduzir o curso de queijos. Uma mistura de queijo de ovelha com figos, moldada como pequeninas castanhas envoltas em mel. E, ainda, torta cañarejal com lascas de trufas, na companhia de delicadíssimos merengues de mel.

41 Grados

41 Grados  41 Grados

O frescor da nitro caipirinha de abacaxi abriu caminho para as sobremesas. O sorbet feito à mesa é servido na própria fruta, acompanhado de pedacinhos de abacaxi cozido a vácuo com cachaça, laranja e licor de baunilha e, ainda, coquinhos de avelã com leite de coco e cacau.

41 Grados

41 Grados

Incríveis cupcakes de torta de limão, que não são exatamente cupcakes. Entre a forminha comestível e o merengue de camomila, um creme fluido e geladíssimo de limão, que deixa o céu da boca em estado de graça.

41 Grados

A sutileza dos sablés de chá verde com gelatina de tangerina.

41 Grados

Levíssimos, quase etéreos, suspiros de groselha abraçam o sorvete de iogurte numa sobremesa de delicadeza ímpar.

41 Grados

Bombons de campari, falsas sementes de pêssego, "rochas" de chocolate com gergelim negro e yuzu e falsas nozes de chocolate branco com gergelim fecham com beleza e ludicidade um jantar onde, desde as louças até os mínimos detalhes de cada prato, nada é lugar-comum.

41 Grados

41 Grados

Poderia encerrar aqui meu relato, mas a experiência, em certa medida, teve continuidade nas vinte e quatro horas que se seguiram – de forma menos mágica, devo dizer. Na segunda metade do jantar, o organismo – tanto quanto a mente – já dava sinais de cansaço. O mal estar gástrico que se seguiu naquela madrugada e ao longo do dia seguinte deixava claro que os limites do meu corpo talvez tivessem sido testados.

Confesso que não foi surpresa pra mim. Não foram poucos os relatos que ouvi de pessoas que saíam do elBulli e passavam mal no caminho de volta. Sempre percebi que esses relatos dificilmente vinham a público e que as pessoas tendiam a se sentir provincianas por reagirem assim a uma refeição no restaurante mais disputado do mundo.  O que me parece uma grande bobagem. Afinal, algo me diz que o corpo humano, via de regra, não há de reagir mesmo muito bem a uma refeição como essa, não necessariamente pelo número de pratos, mas pela excessiva mistura de tantos diferentes ingredientes e produtos.

Não pude evitar lembrar as palavras do grande chef Enrique Olvera, em sua recente palestra no congresso Mesa Tendências, em São Paulo, ao explicar por que optou por adotar menus mais reduzidos em seu premiado restaurante, o Pujol, na Cidade do México: Depois de 15 pratos, não há mais surpresa. Prefiro causar mais impacto com um menu menor. E acho também que é uma forma mais natural e prazerosa de comer. Não quero que a pessoa saia do meu restaurante depois de tantos pratos e não consiga dormir. Não acho que essa seja uma maneira inteligente de comer.”

Entendam bem. Recomendo vivamente a ida ao 41 Grados e creio mesmo que voltaria numa próxima oportunidade. É uma experiência memorável, num restaurante único. Só acho que poderia ser perfeita se o menu tivesse a metade do fôlego.

41 Grados - Avinguda Paral-el 164 - Barcelona

http://www.41grados.es/

Comentários:
em 21-01-2013
por: Tiago
Constance,
Juro que, ao perceber a quantidade de pratos servidos, pensei justamente nessa possibilidade: de alguma coisa não cair muito bem durante a digestão. Essa mistura toda me pareceu levemente explosiva.
E aí vem o seu comentário final para confirmar essa minha hipótese.
Eis o motivo pelo qual confio cegamente nas suas análises: honestidade.
Ah sim... apesar de "explosivo", esse post tá delicioso! :-)
em 21-01-2013
por: adriana
eu já fui ao 41 grados algumas vezes e nunca vi ninguém comendo todos os petiscos oferecidos. até porque lá é um bar e não um restaurante. a idéia do lugar é servir pequenos bocados para acompanhar as bebidas, e nào que alguém coma os 41 pratos como um menu degustação. inclusive os garçons sugerem quais os peticos que combinam melhor com o que você está bebendo. e pedem pra você escolher quais vai querer e eles trazem na ordem que o chef acredita que você vai melhor apreciá-los. acho inclusive impossível que alguém consiga comer os 41! eu nunca comi mais que 8 ou 10 tipos de cada vez que fui lá.
em 21-01-2013
por: Constance
Adriana, acredito que você tenha ido ao 41 Grados em sua primeira fase, quando, de fato, era um bar. Mas já faz algum tempo que a casa mudou a proposta e se transformou numa espécie de versão urbana do elBulli.
Você paga pela experiência de 41 etapas (inclusive, paga parte do valor antecipadamente quando faz a reeserva) e não escolhe absolutamente nada do menu que lhe será servido.
Sem dúvida alguma, estivemos em restaurantes diferentes. Você na primeira fase; eu na atual, em que o restaurante virou uma outra coisa. Se você voltar lá, depois me conta.
em 21-01-2013
por: Constance
Tiago, fico feliz em ler seu comentário. Essa honestidade às vezes tras alguns problemas, você pode supor... Mas não concebo fazer um blog de outra forma. Acho que se um dia eu tiver que negociar minha opinião, prefiro fechar a banca ; )
Beijo, Constance.
em 22-01-2013
por: Bruno Vilaça
Que maravilha! Quero ir logo, mesmo com as consequências. :-))
em 23-01-2013
por: Eveline Sena Arêa Leão
Olá, Constance!
Achei o post bem interessante e, embora com medo do dia seguinte, fiquei com vontade de conhecer o local!
Você poderia nos dizer o valor que pagamos pela experiência?
em 23-01-2013
por: Constance
Olá, Eveline. Detalhes do menu, bem como preço e procedimento de reservas estão todos no site do 41 Grados: http://www.41grados.es/
Abraço, Constance.
em 23-01-2013
por: luiz
muito bom. compartilhei no facebook, desconfiava deste 41° e vc confirmou minhas suspeitas. abraço, LH
em 23-01-2013
por: Constance
Obrigada por compartilhar, Luiz. Um abraço.
em 01-02-2013
por: Luca
Rsss...Fiquei de queixo caído lendo sobre essas "perigosas" maravilhas culinárias do genial Adria. Irei com certeza :-) ...O que dizer, mais um retrato nota dez da excelente Constance Escobar! Como sempre parecia de estar naquele restaurante naquele momento saboreando os mesmos pratos ("quase!:-).
em 21-02-2013
por: REnata Queiroga
Cosntance, Olha estive no 41 Grados recentemente e foi a experiência gastronômica mais extraordinária que tive. Lendo suas linhas, transportei-me para aquele noite... As únicas sensações que tive foram de deleite e de enlevo. Felizmente não tive as sensações gástricas que vc descreve... Ainda nem contei lá no blog, mas quando contar, vou vir aqui te convidar para você vir também me visitar... Por hora, está em cartaz a experiência que tive no El Celler de Can Roca... Passa lá para conferir...
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: