Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Quinta, 11 Junho 2015

Osteria dell’Arco e Osteria del Boccondivino: eu achava que sabia o que era uma panna cotta

Osteria dellArcoOsteria del Boccondivino

Ícones do Slow Food, essas duas casas irmãs compartilham a mesma filosofia: cozinha a serviço do brilho dos ingredientes do território, abordados com perícia na execução de receitas regionais. A primeira está em Alba. A segunda, em Bra, berço do movimento fundado por Carlo Petrini. A conexão não poderia ser maior: o restaurante funciona no mesmo imóvel onde se encontra instalada a sede do Slow Food.

Ambas me garantiram ótimas refeições, cujo clímax ficou por conta da sobremesa: a melhor panna cotta de que tenho notícia. Mas vamos por partes.

Na Osteria dell’Arco, o almoço se iniciou com o vitello tonnato e seguiu com os delicados tajarin em saboroso ragu de salsiccia di Bra.

Osteria dellArco

Osteria dellArco

Osteria dellArco

Com a chegada da sobremesa, instalou-se aquele silêncio que prenuncia uma revelação. À primeira colherada na soberba panna cotta, untuosa e aveludada, eu soube que nada seria como antes.

Osteria dellArco

Já na Osteria del Boccondivino, elegi o trio de antepastos que reunia lardo, carne cruda e salsiccia di Bra. Em seguida, um brasato al Barolo de molho intenso, delicioso, que merecia um acompanhamento melhor do que inexpressivas batatas.

Osteria del Boccondivino

Osteria del Boccondivino

Osteria del Boccondivino

Naturalmente, voltei à panna cotta, ali servida sem frutas ou outros coadjuvantes. A apoteose da simplicidade. Sublinhou minha convicção de não haver jamais provado nada remotamente parecido, nem mesmo na Itália. Pra ser mais precisa, nem no Piemonte, onde experimentei a clássica sobremesa em mais dois ou três endereços.

Osteria del Boccondivino

Eu achava que sabia o que era uma boa panna cotta. Não sabia. Aqueles dois exemplares me trouxeram o inestimável sabor da descoberta. E a lembrança de que só se aprende a comer comendo. Ainda não inventaram método mais eficaz – nem tão prazeroso.

 

Osteria dell’Arco – Piazza Savona, 5 – Alba

http://www.boccondivinoslow.it/osteria/ita/osteria.asp

 

Osteria del Boccondivino – Via Mendicità, 14 – Bra

http://www.boccondivinoslow.it/boccodivino/ita/osteria.asp

Comentários:
em 12-06-2015
por: Rita
Querida,
que contação boa esta! Fiquei querendo descobrir o gosto, papilas "falando".
em 15-06-2015
por: Magê Santos
Também a melhor panna cotta que eu comi na minha vida...
Ah, e o ovo alla cocote com trufas também valeram muito...
Magê
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: