Pra quem quiser me visitar....
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • The Slow Bakery, o café
Terça, 15 Agosto 2017

yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza

yam'Tcha Paris

Cinco minutos foram o bastante pra que eu me sentisse transportada pra outro plano. A beleza do salão, as flores de cardo na janela, as xícaras de Oolong de boas-vindas faziam com que os ruídos da rua parecessem estar muito distantes de nós. Durante um par de horas, o discreto balé do serviço e a elegância da culinária franco-chinesa concebida por Adeline Grattard reafirmariam a impressão de um lugar especial, cuja cadência não se submete ao ritmo imposto do lado de lá da porta de entrada. No yam’Tcha, todos os detalhes revelam um profundo exercício de delicadeza.

yam'Tcha Paris

yam'Tcha Paris

Acomodada diante da cozinha aberta, eu observava a concentração e a firmeza de Grattard no comando da operação, e compreendia o resultado impecável. Da composição dos pratos à proposta de harmonização com vinhos e chás, tudo evidenciava precisão e equilíbrio.

yam'Tcha Paris

O creme de milho com queijo cremoso era resposta à altura aos melhores curaus que já experimentei.

yam'Tcha Paris

O creme de foie gras tinha a companhia de cogumelos de Paris, cèpes salteados e molho de savagnin.  Desconfiei quando anunciada a harmonização com um Pu-Erh de 6 anos, mas me rendi ao primeiro gole.

yam'Tcha Paris

yam'Tcha Paris

Houve ainda um frango suculento com delicioso molho cujos detalhes minha memória já não alcança – perderam-se na espuma dos meses que me separam daquele almoço.

yam'Tcha Paris

O frescor do sorbet de pera, de textura perfeita, com molho de gergelim preto e crocantes de gergelim, anunciava o princípio do fim.

yam'Tcha Paris

Em seguida, sorbet de framboesa sobre biscoito de especiarias, com figo e framboesas frescas.

yam'Tcha Paris

As mignardises (choux, guimauve de coco, chocolate) selariam a lembrança de uma dessas refeições que nos deixam a sensação de que nada é artificial, nada é excessivo, tudo está no lugar certo.

yam'Tcha Paris

 

yam’Tcha - 121 rue St. Honoré  - 1er arrondissement.

www.yamtcha.com

Terça, 10 Janeiro 2017

A hora do chá no Le Meurice, em Paris

Le Meurice

“Aceita uma madeleine?” Foi a primeira coisa que ouvi (se não a primeira, a mais importante) ao me acomodar no salão do Le Dali, onde se conduz diariamente o ritual do chá da tarde no Meurice.

Recém-saídas do forno, estavam ainda quentes e o perfume de mel permitia antever o arrependimento que me tomaria em seguida. Ao consentir que a moderação prevalecesse sobre o desejo, comi apenas um exemplar daquela que se revelaria a melhor madeleine de que tenho notícia. Agora estou condenada a buscar eternamente a reprodução de um momento que, como se sabe, não se repetirá.

Le Meurice

Le Meurice

Minha tarde no Meurice, aliás, foi uma sucessão de bocados irrepetíveis – o que nem o mau gosto no projeto do salão (quase inacreditável, em se tratando de um dos hotéis mais icônicos de Paris) poderia comprometer. Evitei olhar pro teto e mantive os olhos na mesa, onde estava o que verdadeiramente importava.

Le Meurice

Le Meurice

O trabalho comandado pelo chef pâtissier Cédric Grolet é desses raros casos de quase perfeição. Em cada detalhe se vislumbravam sutileza, equilíbrio e precisão. Dos levíssimos sanduíches aos scones. Da torta de baunilha – massa crocante, recheio delicioso, creme suave – à impecável versão de Paris-Brest. Merece menção especial o cookie de chocolate com geleia de figo e pedaços de figos frescos.

Le Meurice

Le Meurice Cédric Grolet

Le Meurice Cédric Grolet

Le Meurice Cédric Grolet

A delicada sequência me rendeu uma daquelas lembranças persistentes, que suponho se cristalizem num setor da memória responsável por nos socorrer quando precisamos de conforto. Embora eu deva admitir que uma inquietação às vezes me assalta, trazendo de volta a pergunta que eu não soube calar como devia: “aceita uma madeleine?”.  

 

Le Meurice – 228 Rue de Rivoli – 1er

https://www.dorchestercollection.com/en/paris/le-meurice/restaurant-bars/le-dali/

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: