Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Quinta, 29 Novembro 2012

Decifrando Notting Hill

Notting Hill

Até ano passado, jamais havia incluído Notting Hill na minha rota em Londres. O bairro virou cenário de filme em Hollywood, me pareceu ter ficado turístico demais e, portanto, eu acabava evitando. Finalmente, me dei conta de como era bobo e preconceituoso esse pensamento. Então, dediquei um dia inteiro a ele em minha última visita à cidade, pra ver se me redimia.

Notting Hill

Notting Hill  Notting Hill

Notting Hill

Fui com a intenção de vagar por suas ruas sem destino certo. O dia de céu azul quase irreal inspirava a falta de compromisso. Tinha na bolsa uma lista de endereços gastronômicos a conferir, claro, não consigo evitar. Mas nada além de uns poucos lugares a percorrer no ritmo em que as ruas do bairro me levasse. Nada de reservas com hora marcada nem protocolos de restaurantes estrelados – sim, deixei o The Ledbury pra próxima, assim, garanto um bom motivo pra voltar logo.

Comecei a caminhada com uma generosa fatia de bolo na Hummingbird Bakery.

Notting Hill  Hummingbird Bakery

Dali, segui pra The Spice Shop, cujo perfume de especiarias veio me buscar ainda na esquina.

The Spice Shop

The Spice Shop  The Spice Shop

Do outro lado da rua, está a livraria Books for Cooks, que convida a gastar horas entre suas prateleiras.

Books for Cooks

Books for Cooks

Books for Cooks

Para o almoço, escolhi o cultuado bufê do Ottolenghi, onde tudo é fresco e saboroso: dos pães às saladas, passando por tortas e bolos deliciosos. Do rosbife com molho de beterraba e raiz forte à salada de favas gigantes, das abóboras assadas ao bolo de cenoura com nozes, tudo o que comi ali estava muito, muito bom.

Ottolenghi

Ottolenghi  Ottolenghi

Ottolenghi  Ottolenghi

Ottolenghi

Parei ainda pra fazer umas compras na filial londrina da Daylesford, incrível loja nos Cotswolds, que trabalha primordialmente com produtos de sua própria fazenda na região.

Daylesford Organic  Daylesford Organic

Daylesford Organic

No fim da tarde, livre do peso de preconceitos e da tirania dos relógios, fui me espreguiçar no Kensington Gardens, que me parece o desfecho perfeito pra um passeio em Notting Hill. Não imagino liberdade maior que a minha naquele momento. Talvez a da pequena aí na foto, que, afinal, ainda pode sair de tule cor-de-rosa sem se preocupar se exagerou...  

Kensington Gardens

 

Hummingbird Bakery – 133 Portobello Road

http://hummingbirdbakery.com/

 

The Spice Shop – 1 Blenheim Crescent

 

Books for Cooks – 4 Blenheim Crescent

http://www.booksforcooks.com/

 

Ottolenghi – 63 Ledbury Road

http://www.ottolenghi.co.uk/

 

Daylesford - 208-212 Westbourne Grove

http://www.daylesfordorganic.com/engine/shop/index.html

 

 

 

Terça, 24 Abril 2012

The Anchor & Hope: na minha lista de favoritos em Londres

Anchor & Hope

Jantar no Anchor & Hope é programa pra quem tem paciência. Não fazem reservas e a fila na porta é grande. O pub é adorado por londrinos e turistas. Ainda na calçada, eu começava a entender por quê. Apesar de não gostar muito de lugares lotados e barulhentos, o ambiente informal, festivo, vibrante me sugeria que a espera, ali, valeria a pena. De fato, valeu. Tanto pela atmosfera do lugar como pela ótima comida.

Anchor & Hope

Anchor & Hope Anchor & Hope

Anchor & Hope

Do cardápio tão enxuto quanto interessante (e, diga-se, de preços bem convidativos), começamos com uma entrada que unia beterrabas, vagens crocantes, queijo de cabra e farofa de pão. Cada elemento denunciava frescor e execução precisa. Mas, todos juntos, fizeram por mim mais, muito mais do que cada um faria sozinho. E devo dizer que as beterrabas – assadas com casca em um pouco de vinagre – eram das mais doces que já comi.

Anchor & Hope

Em seguida, junto com a enorme steak pie, veio o silêncio. Duas pessoas pareciam pouco praquela briga. Nós nos olhávamos e duvidávamos da nossa capacidade. Começamos. E o silêncio permaneceu à mesa, agora, por outros motivos. O medo da derrota dava lugar a um tremendo prazer – do tipo que rouba as palavras, emudece, não deixa espaço sequer pra interjeições ou grunhidos. Massa amanteigada e crocante, deliciosos nacos de carne, caldo perfumado. Fomos até o fim.

Anchor & Hope Anchor & Hope

Ainda restou espaço pra uma singela fatia de torta de chocolate.

O melhor de tudo foi ter saído com a impressão de que a diversão não acontecia só no salão. Acomodada ao lado da cozinha aberta, observava a movimentação da equipe, o vai e vem de pratos. E via nos rostos dos cozinheiros uma alegria incomum. Sei não, vocês podem pensar que estou romanceando, mas eu poderia jurar que aqueles caras se divertiam à beça com o que faziam...

 

The Anchor & Hope - 36 The Cut – Waterloo

 

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

 

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: