Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Terça, 07 Setembro 2010

Milão em pequenos bocados

Comecei por Milão uma viagem pela Itália que, há tempos, estava me devendo. Sob o aspecto gastronômico, ainda não é o roteiro gastronômico que penso como o ideal – afinal, não passarei pelo Piemonte, pela Úmbria, pela Emilia Romana... Então, quero crer que esse roteiro há de ser o primeiro de muitos. Mas, enfim, como ia dizendo, comecei por Milão. Teria dois jantares na cidade. Depois de muito ponderar, elegi o Il Marchesino (do chef Gualtiero Marchesi) e o Cracco (do chef Carlo Cracco). Mestre e pupilo. Dois nomes de grande relevância na cozinha de seu país. Mas sobre isso falamos mais adiante.

O fato é que aonde quer que eu vá, jamais me limito a uma agenda engessada por almoços e jantares, sem nada mais. Gosto de abrir espaço pra conferir os mercados, as padarias, as confeitarias, as délis. Com Milão não seria diferente. E, em escassas 48 horas, entre um jantar e outro, tentei conferir um pouquinho daquilo que se possa desfrutar da cidade em pequenos bocados... Eis aqui um panorama do que percorri nessas andanças.

Bati ponto na GROM gelateria (aliás, continuo batendo, agora em Veneza, e já senti que enquanto houver uma portinha da GROM por onde eu passar, lá estarei fazendo coro nas filas...), sorveteria de Turim, que se transformou numa rede presente em toda a Itália e pelo mundo afora. Confesso que tenho certa cisma com nomes que se tornam grandes cadeias gastronômicas. Mas esta merece respeito. Produzem sorvetes de forma artesanal, sem aditivos, sem corantes e tendo como ponto de partida o padrão de qualidade da matéria-prima que usam. Premiados pela organização Slow Food, fazem questão de ostentar a procedência de todos os ingredientes empregados em seus gelados: limões de Amalfi, avelãs do Langhe, pistache de Bronte são apenas alguns exemplos. Os sorvetes são extremamente cremosos e cheios de sabor. Já tive o prazer de experimentar o de zabaione, o de fiori di latte, o de torroncino, o de avelãs, o de café... E isso é só o começo.

Como não passo sem chocolates, estive na novíssima filial da Guido Gobino, chocolateria, que, como a sorveteria GROM, é originária de Turim (eu não disse que preciso ir ao Piemonte?), e que, entre muitas outras delícias, vende os famosos gianduiotti, um pecado ao qual é difícil não se entregar. Milão é a única cidade, além de Turim, onde se encontra uma filial da marca, desde março deste ano. Além de tudo, a lojinha fica numa das ruas mais agradáveis da cidade, a Corso Garibaldi, e se revela uma bela pausa numa caminhada por ali.

Não posso deixar de falar na Peck, a déli mais famosa de Milão. A loja tem produtos sensacionais, desde pedaços indecentes de Parmigiano a presuntos de tirar do sério, passando por pães, massas, biscoitos, azeites, chocolates, enfim, tudo o que se possa imaginar. Pra mim, só tem um problema: a Peck quer ser a Harrods, mas não é; quer ser a Grande Epicerie de Paris, mas não é. E, no entanto, eu diria que consegue ser mais cara que as duas...

Pra encerrar, estive algumas vezes na Princi, que é, sem dúvida, a mais famosa e badalada padaria de Milão (aliás, Milão ficou pequena pra Princi, que acaba de abrir uma filial em Londres). Estive na matriz, na Piazza XXV Aprile...

... e no mais recente dos quatro endereços que a padaria tem na cidade, o da Via Speronari, cujo projeto arquitetônico é de tirar o chapéu. O respeitado padeiro Rocco Princi mantêm suas lojas abastecidas de ótimos pães, sanduíches, pizzas al taglio, tortas... Quase tudo que experimentei estava muito bom. Mas, sinceramente, não sei se a colocaria no time dos excepcionais, como muitos fazem ao se referir à loja... Pra falar a verdade, bateu até uma saudadezinha das boulangeries e pâtisseries de Paris, onde o métier é coisa pra gente grande. E onde estarei dentro de alguns dias pra matar essa saudade...

GROM – Via S. Margherita 16 (próximo ao Teatro Alla Scala)
Outros endereços no site www.grom.it
Guido Gobino – Corso Garibaldi 39
www.guidogobino.it
Peck – Via Spadari 09
www.peck.it
Princi - Piazza XXV Aprile 5 e Via Speronari 6
Outros endereços no site www.princi.it

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: