Pra quem quiser me visitar....
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • The Slow Bakery, o café
Segunda, 27 Setembro 2010

Vini da Gigio, Al Covo e Ca'D'Oro Alla Vedova: três vezes Veneza

De Milão segui pra Veneza, onde estive por dois dias – e de onde sinto saudades desde que parti. Um domingo e uma segunda-feira, dias em que grande parte dos melhores restaurantes da cidade está de portas fechadas. Mas isso não me impediu de fazer um percurso gastronômico bastante razoável. Confesso que, em boa parte do tempo, mergulhei sem piedade em fartas porções de sarde in saor, especialidade da cozinha veneziana pela qual sou absolutamente apaixonada. Mas, sobrou tempo pra outras coisas, claro.

Minha primeira refeição foi no Vini da Gigio, lugar aonde cheguei através das linhas elogiosas de François Simon, escritas durante uma recente viagem do crítico francês a Veneza. Confesso que não achei tão elogiável... Trata-se de uma casa à beira de um dos muitos canais que cortam Veneza. O salão antigo é agradável e as janelas abertas para o canal tornam tudo ainda melhor.

Comemos um bom baccalà mantecato, ainda mais gostoso na versão frita - o poder de uma boa fritura... Uma bela porção de sarde in saor, que, como eu disse, é uma das especialidades venezianas que me pegam de jeito. Pra quem não conhece, são sardinhas com muita cebola, um pouco de vinagre, um tantinho de açúcar, além de passas e pinoli. Simples e atordoante. E, já que estávamos em Veneza, prosseguimos com um spaghetti com vôngoles que, infelizmente, era inexpressivo. O mesmo eu diria do semifreddo que pedimos para sobremesa. Dispensável.

A refeição seguinte, no Al Covo, seria melhor.

Tinha do Al Covo boas referências. E não me arrependi. Entre altos e baixos, alguns bons pratos. O melhor foi a seleção de frutos do mar “in saor”. Não conseguiria resistir. A tagliatta também estava muito saborosa. E o desfecho não poderia ser melhor: o perfume do semifreddo alla grappa, com canela, passas e pinoli, anunciava uma bela sobremesa...

Minha última refeição em Veneza foi a que mais me marcou. Talvez mais pelo contexto do que pela comida em si. A trattoria Ca’ D’Oro Alla Vedova é um dos endereços mais tradicionais na cidade para a prática de um delicioso e festivo hábito que os venezianos cultivam. Quando a noite se aproxima, eles se espalham pelos bàcari (espécies de bares de tapas ou osterias), a compartilhar os cicchetti, as “tapas venezianas”, sempre empunhando uma pequena taça de vinho, a que chamam “ombra”. O Ca’ D’Oro Alla Vedova, como eu dizia, é um dos melhores endereços para honrar essa tradição. Lugar pequeno, charmoso, mesas à meia luz e atmosfera vibrante.

Lá compartilhamos tomatinhos gratinados, polvo com batatas, deliciosas cebolinhas caramelizadas, infernais porções de polpette e a melhor sarde in saor que experimentei naqueles dois dias.

Se você já foi a Veneza e não se entregou ao ritual dos cicchetti em algum dos bàcari da cidade, sinto informar que você não foi, de fato, a Veneza...


Vini da Gigio – Cannaregio 3628 A (Fondamenta San Felice)
www.vinidagigio.com
Al Covo – Castello 3968
www.ristorantealcovo.com
Ca’ D’ Oro Alla Vedova – Cannaregio 3912 (Via del Pistor)

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: