Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Segunda, 11 Março 2013

Abri, em Paris: não se deixe enganar pela fachada

Abri Paris

Olhando a fachada do restaurante na foto acima, você se animaria a entrar? Talvez, desavisada, eu também não entrasse. Mas cheguei ao número 92 da rue du Faubourg-Poissonnière sabendo bem aonde ia. O Abri foi um dos endereços mais festejados na rentrée parisiense em 2012. Não sei se é pra tanto, só o tempo dirá. Mas há bons motivos pra ir conferir o falatório. Seja o excelente custo-benefício do almoço em cartaz de terça a sexta-feira – 22 euros por duas entradas, prato e sobremesa. Seja a aula de eficiência dada pelo chef japonês Katsuaki Okiyama, no comando da minúscula cozinha encravada entre as mesas, onde conta com apenas mais uma pessoa nos fogões. Seja, enfim, o fato de a casa ter um mil-folhas que está entre as melhores sobremesas que já experimentei em Paris.

Abri Katsuaki Okiyama

O menu começou com um delicado carpaccio de robalo, com ervas, framboesa, beterraba e julienne de repolho roxo.

Abri Paris

Em seguida, bom creme de abóbora com emulsão de lardo defumado.

Abri Paris

A vitela, soberba, ponto perfeito, era uma manteiga. Chegou à mesa na econômica companhia de uma solitária batata, repolho roxo e deliciosa emulsão de cebola.

Abri Paris

O clímax ficou por conta do já famoso mil-folhas da casa (dei sorte, as sobremesas mudam sempre), uma espécie de versão alta costura do clássico francês. Massa folhada dourada e crocante, recheada com creme de confeiteiro de sutileza ímpar e lâminas de maçã. E uma quenelle de impecável sorvete de baunilha a lembrar que a coisa podia ficar ainda melhor. Por ele, voltaria algumas vezes ao Abri.

Abri Paris

 

Abri – 92 rue du Faubourg-Poissonnière – 10ème

Comentários:
em 17-04-2013
por: jose carlos
vale a pena conhecer!
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: