Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Domingo, 17 Novembro 2013

Àmaz, em Lima: ainda tentando entender

Àmaz Pedro Miguel Schiaffino

Ao cruzar a entrada do Àmaz, casa em que o chef Pedro Miguel Schiaffino (do celebrado restaurante Malabar) se debruça sobre a Amazônia, meus olhos foram imediatamente capturados por uma estranha onça pintada no meio salão. Por alguns instantes, cheguei a achar que poderia estar no lugar errado. Afinal, o mau gosto na decoração e, especialmente, o apelo para o exotismo não estavam em sintonia com o que sempre li e ouvi a respeito de Schiaffino: cozinheiro sério e talentoso, profundo pesquisador dos ingredientes peruanos, particularmente aqueles relacionados ao terroir amazônico.

Àmaz Pedro Miguel Schiaffino

Ao me acomodar, só me restava esperar que a abordagem superficial e pouco inteligente se restringisse ao salão e não alcançasse a cozinha. Mas a leitura do cardápio me levava a uma suspeita que se confirmaria à mesa: a de que o que se passa ali é uso gratuito de ingredientes, em substituições absolutamente aleatórias a partir de receitas tradicionais, sem qualquer intenção de aprofundar possibilidades no contexto da cultura culinária da região à qual o restaurante rende homenagem.

Meu almoço, como eu dizia, confirmou aquela impressão. Começamos com empanadas de mandioca, encharcadas de óleo, recheadas com pimentão, cebola, abobrinha e berinjela. Nas causas, o inhame (que, no Peru, chama-se pituca) substituía a batata e a cobertura tinha abacate, molho de coco e camarões. Provamos, ainda, o arroz com chorizo e ucayalinos (deliciosos feijõezinhos da região de Ucayalí, que depois descobri que faz fronteira com o Vale do Juruá, no Acre, lugar de onde saem alguns dos mais delicados feijões que já tive oportunidade de experimentar). Encerramos com o lomo saltado, que ali trazia nacos de bananas no lugar das usuais batatas – o que, segundo o garçom, transformava-o numa versão amazônica do tradicional prato peruano.

Amaz Lima

Amaz Lima

Amaz Lima

Amaz Lima

Além de não evidenciarem um real compromisso com a cultura culinária que supostamente os inspira, os pratos do Àmaz, embora eventualmente saborosos, me revelaram uma cozinha pesada, sem refinamento.

Sigo me perguntando como um projeto como esse pode ter saído das mãos de um profissional com a reputação de Schiaffino. Não sei se há resposta plausível.

 

Àmaz – Av. La Paz 1079 - Miraflores

http://www.amaz.com.pe/

Comentários:
em 19-11-2013
por: Maysa Alexandrino
Caramba, que decepção!
É tão ruim quando isso acontece...
Tive uma decepção dessas recentemente no Enotria aqui no Rio...
Realmente, uma pena...
em 24-11-2013
por: Wair de Paula
E infelizmente isso boa acontece com mais frequência do que gostaríamos? A cozinha do excesso de informação e pretensão, sob a égide do "autoral"?
Forte abraço.
em 05-12-2013
por: Paula
Para pessoas como a gente, que gostam muito de gastronomia, não existe nada pior do que desperciçar uma refeição. Gosto muito da sinceridade dos seus posts, especialmente os do Rio de janeiro, onde eu moro. Seu blog é sempre muito confiável. :) bjs!
Brigadeirosebarcelona.com.br
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: