Pra quem quiser me visitar....
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
Segunda, 05 Maio 2014

Noma, o lendário restaurante do chef René Redzepi em Copenhague: minhas impressões

Noma Copenhagen

Estive no Noma cinco dias antes de ser anunciado o retorno do restaurante ao topo da lista dos cinquenta melhores do mundo, segundo a premiação promovida pela revista britânica Restaurant. Algumas pessoas têm me perguntado se é mesmo o melhor do mundo. Não sei se tenho uma boa resposta pra esse tipo de pergunta. O mundo é vasto e sortido demais pra que nós, em nossa limitada capacidade de transitar entre tantos continentes, nos habilitemos a apontar qual seja “o” melhor restaurante do planeta. Posso apenas dizer das minhas impressões, devidamente acomodadas no subjetivíssimo molde de meus gostos e predileções. É sob esse viés que agora conto sobre meu recente almoço na casa comandada pelo chef René Redzepi em Copenhague.

Noma Copenhagen

Posso dizer que foi uma bela experiência, o que teve muito mais a ver com outros fatores do que propriamente com a comida que me foi servida. Foram outras as justificativas da minha satisfação ali. A atmosfera única do lugar. A leveza e a eficiência da equipe e a despreocupação com protocolos típicos de quem persegue estrelas Michelin. A feliz harmonização com vinhos e mesmo o ótimo serviço de café. 

Noma Copenhagen

Noma Copenhagen  Noma Copenhagen

Se quase todos os pratos que passaram por minha mesa eram esteticamente inspirados e reveladores de um admirável trabalho, o mesmo não posso dizer do sabor, o que, pra mim, sempre será um problema. Por mais encantada que eu estivesse com o lugar e com tudo mais que acabo de mencionar, tenho que admitir que a experiência teria sido imensamente melhor se a comida fosse deliciosa.

Dito isso, vou poupá-los de um minucioso e entediante relato e me limitarei a comentar os bocados que mais me agradaram.

O famoso musgo salpicado com pó de cogumelos, das mais emblemáticas criações da casa. Seco e frito, servido com creme fresco caseiro.

Noma Copenhagen

Noma Copenhagen

Biscoitos de queijo, acomodados numa linda lata antiga.

Noma Copenhagen

Torrada com ovas de lumpfish e crocante de pele de pato.

Noma Copenhagen

Deliciosos bolinhos recheados com um refogado de folhas (que me pareceram de espinafre), numa espécie de versão salgada dos Æbleskiver, bolinhos doces típicos do natal dinamarquês. O melhor momento do meu almoço no Noma. Trocaria muitos dos pratos do menu por mais meia dúzia destes. Ao abocanhá-lo, foi como se me transportasse à mesa da avó, em tarde de bolinhos de chuva. O poder da memória afetiva não conhece distâncias. E como é bom quando a comida evoca esse tipo de sentimento.

Noma Copenhagen

Noma Copenhagen

Maçã cozida por horas em suco de sloe berries (ameixas selvagens).

Noma Copenhagen

O ovo, acomodado num belo jardim de folhas, ervas e flores, recebia à mesa um caldo de alho selvagem.

Noma Copenhagen

O turbot, perfeito, uma manteiga, contracenava com delicado creme de raiz-forte.

Noma Copenhagen

Não posso deixar de mencionar o pão da casa, excelente, acompanhado de manteiga e lardo coroado com crocantes de bacon.

Noma Copenhagen

A levíssima sobremesa consistia em purês de ameixa e de batata, além de um creme fresco aromatizado com infusão da amêndoa da fruta. Dispensaria a batata, mas o purê de ameixa e o creme aromatizado com sua amêndoa eram uma delícia.

Noma Copenhagen

Do ótimo serviço de café, destaco, além do próprio café, o clássico danish e o menos ortodoxo, mas ainda mais gostoso crocante de pele de porco com chocolate e berries.

Noma Copenhagen  Noma Copenhagen

Noma Copenhagen

Noma Copenhagen

Ao fim da refeição, era preciso reconhecer mais uma qualidade da cozinha: a capacidade de conceber um longo menu do qual o sujeito saia leve, sem a sensação de ter desafiado os limites de seu corpo. Mas a verdade é que, dos cerca de vinte pequenos bocados do meu almoço, desconfio que poucos ficarão carimbados em minha memória. Difícil não lembrar o que dizia o chef catalão Santi Santamaria: “o sabor é a medida última de um prato”. Ainda não me acostumei a comer conceitos, por mais que isso possa parecer muito moderno. Comida verdadeiramente gostosa sempre me trará mais satisfação.

 

 

Noma – Strandgade 93 - Copenhagen

 http://noma.dk/

 

Comentários:
em 05-05-2014
por: sayonara lopes
Com certeza eu privilegio sempre os sabores das comidas!
em 05-05-2014
por: Joaquim
Cara amiga Constance , como sempre seu texto e suas fotografias são um primor . O q vc disse sobre o Noma , se ele é de fato o melhor do mundo , me fez lembrar nosso maior poeta , CDA : "mundo , mundo , vasto mundo ..." . A pesquisa não abrange todos os restaurantes , o q seria impossível .Nem o Noma rima com mundo , o que poderia ser uma solução . Acho q vc colocou a questão correta , não se come conceitos , o q se espera de uma refeição é q ela , no mínimo , seja saborosa ! Abs
em 05-05-2014
por: Jorge Fortunato
Constance, também sou desses que gosta de comida saborosa...
em 05-05-2014
por: Luciana Betenson
Cons, gostei demais do seu texto. Beijos,
em 09-05-2014
por: Flávia Marrara
Que síntese perfeita da suas impressões. Amo suas críticas
em 10-05-2014
por: Maysa Alexandrino
Não conheço o Noma, mas não poderia concordar mais...
A comida gostosa, na minha opinião, está acima de tudo...
Prezo muito mais que uma comida bonita ou tecnicamente perfeita, mas que não seja tão saborosa.
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: