Pra quem quiser me visitar....
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
Quinta, 04 Maio 2017

Aïoli no Bistrot du Paradou

Le Bistrot du Paradou

Instalado num belo casarão em Maussane-les-Alpilles, um desses vilarejos provençais que parecem perdidos no tempo, o Bistrot du Paradou é o tipo de restaurante que vale a viagem. Peço desculpas pelo clichê, mas aqui ele se justifica, pois me refiro a uma experiência que dificilmente se poderia reproduzir em outro lugar.

Le Bistrot du Paradou

Le Bistrot du Paradou

O menu único inclui entrada, queijos e sobremesa, além do prato principal, que varia a cada dia da semana. Minha visita aconteceu numa sexta-feira, dia de aïoli, a maionese rústica de alho que é receita típica da região.

Le Bistrot du Paradou

Eu poderia falar sobre a deliciosa salada de tomates, cebolas, pimentões, anchovas em conserva e azeitonas pretas, que já nos aguardava sobre a mesa quando chegamos. Havia ainda pães recém-assados, azeitonas verdes das proximidades de Orange e azeite A.O.P. produzido ali mesmo, em Maussane. Comer local é coisa séria naquelas paragens.

Bistrot du Paradou

Bistrot du Paradou

Bistrot du Paradou

Sem dúvida, devo falar sobre o aïoli, feito com o mesmo azeite que acompanhava a salada. De sabor profundo, embora extremamente delicado, nele mergulhamos cenouras, couve-flor, batatas, ovos cozidos, bacalhau e escargots.

Bistrot du Paradou

Bistrot du Paradou

Bistrot du Paradou

Bistrot du Paradou

Poderia ainda ressaltar que as sobremesas ficam muito aquém dos pratos. Mais vale abrir mão delas e encerrar com a excelente seleção de queijos da casa. 

Bistrot du Paradou

Bistrot du Paradou

Mas, acima de tudo, é sobre a atmosfera daquele lugar que preciso falar. O aïoli no Bistrot du Paradou, mais que uma refeição, é uma celebração. Uma festa. Nas grandes mesas, grupos tagarelavam, riam e até cantavam. Meu almoço ali foi daqueles momentos em que se vislumbra na comida um instrumento de verdadeira comunhão.

Le Bistrot du Paradou

Le Bistrot du Paradou - 57, av. de la Vallée-des-Baux – Maussane-les-Alpilles

Quarta, 05 Abril 2017

Provence: o mercado de Saint-Rémy

Marché Saint-Rémy-de-Provence

No começo do mês passado, passei alguns dias na casa de meus tios em Raphèle-les-Arles, na Provence, onde valorizar produtos locais não é modismo, mas algo naturalmente incorporado às rotinas das pessoas. Essa filosofia posta em prática cotidianamente projeta-se nos espaços públicos através dos muitos mercados de rua, que acontecem em diversas edições semanais.

Marché Saint-Rémy-de-Provence

Marché Saint-Rémy-de-Provence

Marché Saint-Rémy-de-Provence

Em minha visita anterior ao sul da França, estive no marché de Arles e jamais me esqueci do perfume de azeitonas que tomava conta do lugar. Desta vez, fui conhecer o de Saint-Rémy, que é um dos mais famosos da região. Buquês de lavanda, mudas de oliveiras, azeitonas de diversos tamanhos e cores, azeites do vale de Baux-de-Provence, embutidos, queijos de cabra de produção local, como o Banon e o Picodon. Por toda parte, havia placas com a identificação da procedência dos produtos – e ninguém acha que vai salvar o mundo fazendo isso; fazem porque sempre fizeram, porque é natural que seja assim quando se valoriza o que há por trás da comida.

Marché Saint-Rémy  Marché Saint-Rémy

Marché Saint-Rémy  Marché Saint-Rémy

Marché Saint-Rémy  Marché Saint-Rémy

mercados provençais  mercados provençais

 Marché Saint-Rémy Marché Saint-Rémy-de-Provence

Meus tios, que vivem na Provence há quatro décadas, não frequentam restaurantes estrelados no guia Michelin, nem estão a par das novidades recentes no ranking da revista inglesa Restaurant, mas os caminhos das feiras sabem na ponta da língua. E, embora nem desconfiem disso, suas práticas à mesa não podiam estar mais de acordo com o que anda em voga mundo afora. O azeite consumido em sua casa é comprado em um vizinho, que é produtor. Os ovos vêm das galinhas do quintal de outra vizinha. Alecrim há aos montes nos jardins dos arredores. Cogumelos o tio colhe pessoalmente. Mostrou-me o manual em que estuda as espécies pra não correr o risco de trazer pra casa algum que não seja comestível. E me levou a conhecer as estradas onde põe em prática o que aprende nos livros.

Pensei em contar a eles como estão afinados com o que há de mais atual nas listas de tendências gastronômicas divulgadas nos últimos anos. Certamente achariam graça.

 

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: