Pra quem quiser me visitar....
  • Mercados no Peru: Surquillo, em Lima, e San Pedro, em Cusco
  • Tordesilhas: o Brasil de Mara Salles
  • Zécutivo, o almoço executivo do Attimo: das melhores relações custo-benefício em São Paulo
  • Senzo: a morada de Virgilio Martínez em Cusco
  • Restaurante O Paparico, no Porto
  • De volta ao Esquina Mocotó: a nova casa do chef Rodrigo Oliveira
  • De volta ao Arturito
  • O poético Mercado do Bolhão, no Porto
  • The White Rabbit, em Santiago
Domingo, 09 Março 2014

Pipo: não me enganei

Pipo Felipe Bronze

Em julho do ano passado, contei aqui do meu entusiasmo a respeito do Pipo, segunda casa do chef Felipe Bronze, então recém-inaugurada. Não foi sem certo receio que o fiz. Afinal, o lugar tinha apenas uma semana de vida e eu havia estado lá uma única vez. O fato é que saí dali com a impressão de estar diante de uma das melhores novidades entre as recentes inaugurações no Rio de Janeiro. Hoje, depois de ter voltado quase uma dezena de vezes, eu diria que não me enganei.

Numa cidade onde é tão fácil pagar caro pra comer mal, eu me animo cada vez menos a arriscar. Confesso que ando cansada de comer em vão. Como consequência disso, às vezes me vejo andando em círculos, percorrendo sempre a mesma meia dúzia de endereços onde saiba serem pequenas as chances de decepção. O Pipo rapidamente passou a fazer parte dessa lista.

Vou poupá-los de repetir tudo o que já tinha dito sobre o conceito da casa. Limito-me a comentar o que tenho comido por lá. Quase sempre, cumpro o mesmo ritual: peço uma Summer Ale, eventualmente uns pastéis, e então me concentro nos sanduíches, que me parecem o maior acerto do cardápio.

Além do Mc Pipo e do Cervantes, de que já tinha falado no post anterior, há o Camarones, o Ostrix e o De Panela. O primeiro traz camarões em ponto perfeito, maionese de gengibre e abacate.

Pipo Felipe Bronze

O Ostrix ameaçou minha predileção pelo Cervantes. Um pão de milho acomoda crocantes ostras fritas, maionese de ostras, limão confit e cebola roxa, numa combinação infernal. Bem, ao menos era assim até mês passado. Há poucos dias, soube que o sanduíche sofreu algumas mudanças. Sou da opinião de que não se mexe em time que está ganhando, mas, se era pra mudar, espero que tenha sido pra melhor.

ostrix pipo

O De Panela homenageia um clássico de botequim, o bom e velho sanduíche de carne assada. Imagino que a carne desfiada que chega na companhia de pão de leite, aïoli e picles de pepino não seja propriamente assada, mas o que me importa é que a versão do Pipo é deliciosa. Desde que a experimentei, entrou no páreo, ao lado do Ostrix e do Cervantes. Difícil dizer de qual dos três gosto mais. É dessas disputas acirradas, que só se definem no photochart.

Pipo Felipe Bronze

Na última visita, quebrei a rotina por um bom motivo. O almoço executivo, em cartaz de segunda a sexta, me fez deixar de lado os sanduíches. Por R$55,00, a fórmula inclui entrada (salada ou pastéis) e um dos PFs, abreviação de “Pratos do Felipe”, uma brincadeira que alude aos pratos substanciosos dos botecos cariocas, que ali ganham livres versões do chef, ao propor sua abordagem de clássicos como bife a cavalo, arroz de polvo e carne assada com arroz, feijão e farofa. Por R$65,00, a fórmula inclui uma das sobremesas do cardápio, que não considero exatamente o forte da casa.

Pipo Felipe Bronze

Tentei ser elegante e optar pela salada verde com tomates, mas é claro que acabei avançando nos pastéis da outra metade da mesa. A menos que o leitor tenha um tremendo autocontrole, não aconselho cometer tamanha bobagem. Os pastéis da casa são ótimos, especialmente os de carne seca com palmito pupunha e pimenta biquinho, e não merecem a substituição por salada.

Pipo Felipe Bronze  Pipo Felipe Bronze

Já quanto aos PFs, meu lado da mesa foi mais bem-sucedido. Do lado de lá, bife a cavalo, que eu temia ter o mesmo destino dos pastéis e terminar numa disputa de garfos. Não foi o caso. O prato era correto, não mais que isso.

Pipo Felipe Bronze

Nada faria sombra ao soberbo arroz de polvo sobre o qual recaiu minha escolha: polvo tenro, arroz úmido, aïoli saboroso. Uma beleza.

Pipo Felipe Bronze

O prato, que agora está também no cardápio permanente da casa, é das melhores coisas que comi ali.  Por ele, serei capaz de quebrar meu ritual mais vezes.

 

Pipo - Rua Dias Ferreira 64 – Leblon

http://www.piporestaurante.com/

Quarta, 06 Novembro 2013

Pousada da Alcobaça: eu queria a cozinha limpa de solene, limpa de soberba

Pousada da Alcobaça

Sei que já falei algumas vezes a respeito da Pousada da Alcobaça – presença certa na minha lista de lugares onde a vida parece fazer mais sentido – e que corro o risco de ser repetitiva. Talvez fosse mais inteligente pôr em dia a pilha de posts atrasados sobre lugares inéditos neste blog, mas vou voltar à Alcobaça porque é pra onde a vontade me leva hoje. No último fim de semana, tive ali uma das minhas mais felizes refeições no ano e isso me parece motivo bastante pra voltar ao assunto.

Das muitas visitas que já fiz à pousada, esta talvez tenha sido a que mais me tocou. Não há nenhum motivo concreto pra isso. A casa não mudou, dona Laura Góes continua a postos, o cardápio é o mesmo de sempre. Felizmente. Na verdade, minhas razões são absolutamente subjetivas. 2013 tem sido, pra mim, um ano de pouca tolerância. Logo nas primeiras semanas do ano, abusei da minha capacidade de suportar menus longuíssimos e rituais empolados e desconfio estar pagando o preço disso até agora. Ando sem paciência pra excessiva afetação que ronda o mundo da gastronomia, o que, muitas vezes, tem me levado a buscar prazer onde eu tenha certeza de encontrar simplicidade.

Pousada da Alcobaça

Nos últimos meses, meu estado de espírito tem descoberto sua melhor companhia na poesia de Manoel de Barros. E talvez nela esteja o código pra minha especial experiência nesta visita à Alcobaça. Vejo muito em comum entre aquele lugar e o universo do poeta. Poderia dizer que a relação de quase simbiose entre dona Laura e cada árvore frutífera que cresce naquela propriedade, cada pequena flor que brota naqueles jardins, é de uma ordem que remete ao modo peculiar como o poeta traduz a natureza. Mas isso seria dizer o óbvio. Vou além. Há um olhar especial pras pequenas coisas que, em geral, passam despercebidas. A valorização das insignificâncias. Vislumbro mesmo uma readequação de valores. Na poesia de Manoel de Barros, como nos jardins de dona Laura, uma jabuticabeira e um bem-te-vi são mais importantes que um ministro de Estado. Os dois me parecem ter algo valioso em comum: preguiça de ser sério.

Pousada da Alcobaça

Pousada da Alcobaça

Um trecho de um de seus poemas me veio particularmente à memória durante a refeição que mencionei no início deste post. “Queria a palavra sem alamares, sem chatilenas, sem suspensórios, sem talabartes, sem paramentos, sem diademas, sem ademanes, sem colarinho. Eu queria a palavra limpa de solene. Limpa de soberba, limpa de melenas.”

Cheguei ali sem saber muito bem o que tinha vontade de comer. Dona Laura sugeriu o prato do dia e aceitei a sugestão, mais por preguiça do que por vontade. Descobri, logo em seguida, que era exatamente aquilo que eu desejava comer, ainda que não soubesse disso minutos antes. Devorei com imensa felicidade a deliciosa galinha caipira com molho bem moreno (como há muito eu não encontrava), acompanhada de polenta frita e vagens crocantes – e, claro, arroz e feijão, que jamais faltam na mesa da Alcobaça.  Acomodado sobre jogo americano de crochê, era um prato à prova de foodies.

Pousada da Alcobaça

A julgar pela simplicidade do que me foi servido, corro o risco de o leitor desconfiar da minha sanidade, mas, sem medo, eu lhe asseguro que, naquele fim de tarde, a cozinha sem colarinho, sem suspensórios, praticada por dona Laura me garantiu uma das mais prazerosas refeições do ano. Como diria Manoel de Barros, meu aferidor de encantamentos deu nota dez.

 

Pousada da Alcobaça – Rua Agostinho Goulão 298 – Corrêas - Petrópolis

http://www.pousadadaalcobaca.com.br/

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: