Pra quem quiser me visitar....
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • A hora do chá no Le Meurice, em Paris
  • Berlim, de bocado em bocado
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • Lenha no fogão: comida e memória no sul de Minas Gerais
  • Fazenda do Serrote: refúgio na divisa entre Rio e Minas Gerais
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
  • Padaria da Esquina, a nova casa de Vitor Sobral em São Paulo: minhas impressões
  • The Slow Bakery, o café
Terça, 11 Julho 2017

Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé

                    “Debulhar o trigo, recolher cada bago do trigo, forjar no trigo o milagre do pão e se fartar de pão”

(Chico Buarque - Milton Nascimento)

 

No Rio de Janeiro de uma década atrás, o que se forjava no trigo estava longe de ser milagre. O panorama da panificação carioca não era exatamente animador. Sempre houve exceções, gente disposta a ir além do baixíssimo padrão reinante. Mas nada que se comparasse à mudança de cenário que teve início há poucos anos com o trabalho sério de algumas padarias artesanais, entre as quais a The Slow Bakery vem se tornando a maior referência. De lá pra cá, felizmente temos visto surgir uma nova geração de padeiros empenhados em tirar de vez a cidade das trevas da panificação.

É o caso de José Pedro Fonseca (ou apenas Zé, como ele prefere ser chamado), Gabriel Magalhães e Tito Pal, da Maison do Zé, e de João Pessanha, da Araucária Pães Artesanais – a quem cedo a palavra no post de hoje. Entre tantos representantes dessa nova geração de padeiros, os que escolhi entrevistar têm trajetórias intimamente ligadas e uma grande afinidade na forma como se relacionam com a gastronomia: seu foco está no constante aperfeiçoamento, na partilha de conhecimento e na democratização do acesso à boa comida. Uma abordagem livre e generosa do ofício, o que, de certa forma, ousa contrariar a lógica de um mercado profundamente competitivo e ainda tão permeado por surrados conceitos de exclusividade e glamour.

Com a palavra, João, Tito, Gabriel e Zé (perdoem o amadorismo do vídeo; o importante é ouvir o que eles têm a dizer).

Araucária Pães Artesanais - vendas na Junta Local

Maison do Zé - Rua São José 35 - sobreloja - n. 227 (no mezanino do Terminal Menezes Cortes). Almoços às quartas-feiras; padaria e sanduíches às sextas-feiras. Vendas também na Junta Local.

Comentários:
em 11-07-2017
por: juliana
Ahhh que emocionante! Estudei gastronomia com o Tito Pal! Parabéns colega!!!
em 11-07-2017
por: Fernando Gouvea
Delicioso e emocionante o video. Falar em pão, em padeiros com essa "filosofia", meu Deus! É uma emoção só.
A cada pos mais fã seu eu fico.
Estou indo pra Barcelona e vou nos restaurantes que vc indicou e, tenho certeza, vou adorar.
Obrigado
em 11-07-2017
por: Constance Escobar
Obrigada, Fernando. Fico feliz.

Ju, colega do Tito, que legal. O mundo é um ovo.
em 11-07-2017
por: Rita Juliano
Querida, quando dá muitas saudades, apareces! Coisa boa.
E coincidências: filho, depois do doutorado, quer ser padeiro. Vou mandar, já, a matéria pra ele. Lembras do nosso professor que sonhava com uma geração de brasileiros que realmente fariam pães?
Aí estão. A não concorrência destes guris, demais! Beijo ooo
em 11-07-2017
por: Constance Escobar
Rita, que saudade. Viva a nova geração de brasileiros fazendo pães de verdade! Que bom saber que seu filho talvez faça parte dela. Beijo!
em 12-07-2017
por: Simone
Que vídeo maravilhoso, emocionante.
em 12-07-2017
por: Constance Escobar
Obrigada, Simone.
em 20-07-2017
por: Leila
Os pães da Slow são excelentes, mas cara é impossível o preço que eles cobram.
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: