Pra quem quiser me visitar....
  • Rota da Mandioca: o Pará à mesa
  • Sullivan Street Bakery: uma das melhores maneiras de começar o dia em Nova York
  • Sabor Rural, em Tiradentes: antídoto pros males da urbe
  • Rota da Mandioca: visitando a produção de farinha em Bragança
  • Roberta’s, no Brooklyn: mais que uma pizzaria
  • Kitanda Brasil, em Tiradentes
  • Estela, o novo restaurante do chef Ignacio Mattos em Nova York
  • De volta ao Bar da Dona Onça
  • Você sabe de onde vem o peixe que você come?
Segunda, 23 Fevereiro 2015

"Pão ou pães é questão de opiniães"

Flávia Maculan

Valho-me das palavras de Guimarães Rosa na tentativa de antecipar minha defesa. O assunto deste post é daqueles que não sei abordar sem paixão. Sempre que vem à baila, acabo recebendo pedrada. Percebo que muita gente reputa exagerada minha costumeira ladainha, mas ainda não houve quem me fizesse mudar de opinião: não é fácil encontrar pão verdadeiramente bom neste país.

Entendam bem, não é que eu me empenhe em ver o copo meio vazio. Jamais negaria a incontestável realidade da multiplicação de estabelecimentos que prometem restituir a esse alimento tão fundamental o respeito devido. E, de quebra, salvar-nos do pãozinho francês cheio de aditivos, hóspede fugaz dos grandes fornos, eternamente condenado a deles ser expulso muito antes do tempo. Só acho que nem sempre tais estabelecimentos entregam o que prometem.

Adianto que não sou nenhuma especialista em fornadas. O mais perto que cheguei da compreensão do processo de fabricação de pães de fermentação natural foi a meia dúzia de vezes que abri o belo livro "Pão Nosso", de Luiz Américo Camargo, prometendo-me empenho no aprendizado da prática, mas reiteradamente desistindo no meio do caminho, por medo de falhar. Desconfio que meu receio na investida decorra menos de já ter matado alguns levains do que do fato de este ofício me soar como algo quase sagrado.

Como eu ia dizendo, meu entendimento não vai além daquilo que me sinaliza meu paladar. E ele me sugere que o nível da nossa produção não evolui na mesma velocidade com que avança o modismo das novas boulangeries. Em São Paulo, é possível que a coisa ande melhor. No Rio de Janeiro, ainda me parece tarefa árdua encontrar pães de qualidade. Os endereços que costumam arrebatar prêmios por aqui estão longe de entregar o que espero de um bom pão.

Isso explica a felicidade que se instala em mim quando um exemplar especial cruza meu caminho. Aconteceu recentemente, quando um querido amigo me apresentou o trabalho da paulistana Flávia Maculan, que merecidamente vem conquistando reconhecimento em sua cidade. Flávia assa em casa, num forno comum, os melhores pães de fermentação natural que tive oportunidade de experimentar no Brasil. Digo isso depois de ter repetido a experiência há algumas semanas, quando fui presenteada por ela com meu favorito entre todos os que eu já havia provado: um soberbo pão de azeitonas.

Flávia Maculan

Flávia Maculan

Não sei se saberia expressar com precisão técnica o que quero dizer, mas a música da faca rompendo a crosta, a beleza dos alvéolos, o perfume denunciando a complexidade de sabor a ser revelada em seguida, tudo isso comunica aos meus sentidos que aquele não é um pão qualquer. Há respiração naquela massa. E há a profunda transformação que só o manejo do fogo com sabedoria pode proporcionar. Se é que o que eu digo aqui faz algum sentido, a moça certamente saberia traduzir com mais propriedade: Flávia, além de padeira, é bióloga. Nada é por acaso.

Flávia Maculan

Flávia Maculan

Mantenho-me firme no propósito de ver o copo meio cheio e quase ouso dizer que é mera questão de tempo os pães pálidos, frouxos e sem sabor que há tanto consumimos ganharem, mais e mais, a concorrência de pães como esses. Ao menos, é grande minha vontade de acreditar nisso.

Flávia Maculan – encomendas pelo e-mail fdmaculan@me.com

Segunda, 05 Janeiro 2015

Por um ano de mais improviso e menos expectativas

Véspera de Natal. Estávamos a algumas dezenas de quilômetros de distância do nosso destino quando o oceano irrompeu à beira da estrada. Tanta beleza, impossível não parar.

Entre nós e o mar, providencialmente, havia um restaurante. Nunca tinha ouvido falar, não tinha ideia se era bom ou mau, não sabia o que esperar daquele lugar. Como estávamos cansados e famintos, decidimos almoçar ali. Ainda que não houvesse fome e cansaço, provavelmente cederíamos ao apelo do cenário: casa praticamente vazia – uma única mesa ocupada –, debruçada sobre a praia quase deserta.

O almoço: boa porção de agulha frita, polvo ao molho de coco, macaxeira frita. Pra acompanhar, suco de graviola.

A macaxeira poderia estar mais sequinha. O polvo poderia estar mais tenro. Eu, no entanto, não poderia estar mais feliz. Naquele momento, encomendei aos céus um 2015 assim: mais improviso, mais simplicidade, menos expectativas.

 

Tags: Alagoas
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: